Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nenhures

Nenhures

29
Mai16

A "Visão" e a mesquita em Lisboa

jpt

mesquita-mouraria.png

Leio este texto do director-adjunto da "Visão" reduzindo os adversos à construção estatal da nova mesquita em Lisboa a meros eleitoralistas e pobres almas em busca de "aprovações e partilhas nas redes sociais" .  E atira o seu desprezo por esta mole com um "onde estavam todos em 2012?", quando o assunto foi decidido ante o silêncio geral, tal como em 2015 quando foi reafirmado. Em suma, diz-nos uns ignorantes preguiçosos que nem ao google indagamos antecedentes do projecto nem percebemos ser aquela área a mais "multicultural" do país - neste último item, o recurso ao "multiculturalismo" como se argumento suficientemente justificativo de uma política, é evidente que o jornalista não está capacitado intelectualmente para perceber a mediocridade da sua argumentação, navega uma já velha moda e julga-a com pergaminhos. E por isso tudo desvaloriza que até se fale da "laicidade do estado", à qual alude como se descabido seja referi-la nesta temática.

Como bloguei sobre o assunto respondo pela minha parte: em 2012 estava emigrado, há já quinze anos. Reparava nos assuntos de Portugal mas menos do que agora. E isto escapou-se-me. E em 2015 nada li sobre o assunto. Soube agora, e apenas por via de um jornal local, "O Corvo" noticiando as expropriações. Fiquei estupefacto; bloguei; e depois vi alguns ecos de "amigos-FB" meus. Entretanto o assunto espalhou-se no molde actual típico, a propagação rizomática. Decerto que devido ao eco na imprensa das reclamações dos expropriados e da posterior decisão do tribunal.

Porque escrevo, em blog? Por causa da aprovação nas redes sociais? Blogo porque gosto mas também porque há gente que lê, aprecia, atura. E gosto dos comentários, das discussões. E dos likes (os links da década passada) - porque são mimos, sim; e porque aumentam a visibilidade (das minhas opiniões, dos meus resmungos e gostos), até porque agitam essa entidade quase metafísica d'hoje, o algoritmo-FB. Não preciso de escrever, não sou habitado por uma qualquer alma talentosa, uma qualquer imanência. Escrevo apenas porque gosto, de opinar, de conversar, de ser lido e de ler. E há imensa gente assim, uns somos mais interessantes, outros somos menos. E que uma coisa tão simples e saudável seja menosprezada por um tipo que leva como profissão o jornalismo mostra, só, o quão medíocre ele vai. Talvez, anacrónico, saudoso dos tempos em que eram os jornalistas os únicos a partilhar (junto com os "senhores doutores" que convidavam para abrilhantar). Mas isso acabou, mesmo, e ainda bem.

Porque escrevi, sobre a futura mesquita? Exactamente por aquilo que o inculto jornalista acha descabido referir, a "laicidade do estado". Esta é fruto de um processo histórico longo, de guerras, de conflitos, de acordos. E é em Portugal algo ainda por concluir, por depurar, não só por causa dos tratados (ainda que a Concordata actual seja "suave"), mas fundamentalmente pelas práticas estatais e pelo ambiente moral. Como exemplo dessa dificuldade do apartar estado da religião eu dou sempre como exemplo o inaceitável discurso de Canavilhas no funeral de Saramago, a este pondo em causa. Se o escritor dedicou parte fundamental da sua obra ao combate não só à igreja mas à própria religiosidade, a então ministra foi-se-lhe para o enterro representar o estado, ironizando ao aventar a hipótese do falecido vir a encontrar deus. Ninguém se irritou, claro, pois não só a intelectualidade lusa adora o PS, como também porque a questão religião é por cá quase tabu.

E é neste ambiente intelectual, irreflexivo e submisso, que a ideia de referir a laicidade estatal aparece como descabida. O pobre pensamento que este jornalista aparenta ecoar reduz essa laicidade estatal a uma espécie de equidistância do estado face às diferentes confissões. Ou seja, o estado a todas deve apoiar, até devido à crendice "multiculturalista", seja por igual seja segundo uma espécie de método de Hondt, pela qual o apoio vai variando consoante o tamanho das adesões. E agora terá chegado a hora do islão, depois virão (ou continuarão) outras.

Ora a laicidade que se requer ao estado não é isso, não é esse tipo de equidistância. É uma distância. A religião é algo de privado, pessoal, da sociedade civil ( se se gosta deste jargão). E o estado não tem uma religião nem várias. Tem como princípio fundamental a liberdade de culto. Conjuga-o com o da liberdade de associação e garante o exercício das comunidades de crentes. E pronto. Ou seja, não faz proselitismo cultual, não considera positiva a prática religiosa, muito menos a pensa como objectivo social. É essa distância necessária, exigível. Não é totalmente cumprida? Então não é chegada agora "a hora do islão", é mas é chegada a hora de a fazer cumprir. A essa distância.

Nisto tudo porquê o texto na "Visão", tanta pancada em nós-parolos desvalidos em busca de "laiques" e "shares" no FB a contrariarmos a mesquita? Porquê a denúncia da nossa pobreza existencial e, até, da nossa desonestidade eleitoraleira, até imoral? Porquê tanta arrogância do jornalista da "Visão"?

Há semanas deparei-me com o mesmo assunto em destaque nas capas das semanárias "Visão" e "Sábado", o pouco relevante tema dos clubes privados lisboetas, coisa da burguesia endinheirada. Surpreso com aquilo, sinal de desnorte das direcções de ambas as revistas, comentei isso com um amigo, jornalista veterano, e ele, risonho, atribuiu a até ridícula coincidência à influência daquelas empresas, e seus associados, nas direcções das revistas. Decerto que teriam feito lóbi para aparecerem nas revistas, talvez até pago, e as direcções aderiram. Há dias conversava com dois outros amigos, também jornalistas veteranos, sobre a pluralidade de obras rodoviárias em Lisboa, e espantava-me. Pois, e independentemente da sua necessidade, a sua conjugação causa tais contratempos à população que talvez venham a ter custos eleitorais para a actual vereação nas próximas autárquicas. Riram-se os dois, menosprezando a possibilidade de efeitos eleitorais da azáfama lisboeta, resumindo que "a câmara tem a imprensa na mão", e com isso conta para tornear a impaciência que agora causa nos seus eleitores.

Ok, talvez nós, blogo-facebuaqueiros sejamos uns frustrados tontos, remunerados em "aprovações e partilhas nas redes sociais", assim uns verdadeiros ridículos desvalidos. Mas se pensarmos bem, se nos lembrarmos desta tão sabida plasticidade da imprensa face aos grupos políticos e económicos, ao ver um texto como este, a defender de tal forma a câmara de António Costa e Medina, não deixa de me ocorrer que o director-adjunto da "Visão" não é apenas um inculto, um irreflectido, mas que procura para si e/ou sua revista "aprovações e partilhas". De outro estilo, claro, bem mais material. E estou tão fundamentado, pelo menos, como ele está ao presumir as intenções qu'a gente tem ao resmungarmos contra a construção estatal de um templo.

(Colocado no "Courelas")

 

18
Mai16

“Oh Lord, won’t you buy me a Mercedes Benz?”

jpt

mesquita-mouraria.png

Cada vez mais estupefacto com a "pátria amada": descubro aqui que a Câmara Municipal de Lisboa (Costa, Medina & Salgado) vai construir um templo (e gastará 3 milhões de euros no complexo que a integrará). É uma afronta. Isto raia o insuportável, esta amálgama cúmplice de decisores e de corporações do funcionalismo público - e, sim, neste caso pior que tudo é o eixo "trabalhadores intelectuais-multiculturalistas", que em troca do sonho de um "Mercedes Benz" (empregozito, projecto, subsídio, assessoria, comentarismo avulso, venha lá o que vier) tudo apoia. Só me ocorre o título daquele primeiro livro assinado como Vernon Sullivan. Espero viver o suficiente para isso.

Não quero confundir nem que confundam a minha total aversão a quem pensa, decide, projecta, executa e, mais do que tudo, permite uma coisa destas com qualquer aversão a imigrantes - fui imigrante durante 18 anos, e ainda para mais num país onde os meus antepassados foram colonizadores, raisparta, como posso eu ser anti-imigrantes?, só se fosse (ainda mais) parvo). Nem contra qualquer religião em particular, neste caso o islão.

Os muçulmanos que residem naquela área querem uma mesquita? Ok, que a construam, que se dê apoio (administrativo, urbanístico, contribuições se necessárias). Agora o estado a construir? E o problema da oposição a este populismo "multiculturalista" é que aparenta (e às vezes até se encontra no meio do) racismo, intolerância, xenofobia. Mas não se trata disso, pura e simplesmente trata-se de que na minha terra, nesta sociedade, eu não quero o estado a apoiar a religião.

E podem-se ter outras considerações: o financiamento por vários países árabes da construção de mesquitas insere-se num eixo de coranização que tem uma dimensão política fundamental - sempre a teve, e nesta contemporaneidade ainda mais gritante isso é. E tem-na tal como a evangelização a teve e tem - e daí os rancores, em modo de ofensa, que o mundo cristão votou e vota à sua proibição em vários lugares ou, como na China, ao seu encapsulamento pelo poder político. E a disseminação de mesquitas tem essa vertente, na Europa e em África (e presumo que na Ásia mas não conheço essa realidade), não só de expansão da influência política (e cultural e religiosa) do Islão como também de compita entre as suas várias linhas. E a construção estatal de mesquitas tem também modalidades de controlo do predomínio de "islões" anti-poderes - exemplo tão nosso próximo é a grande mesquita que o rei de Marrocos mandou fazer há poucos anos, modo de centralizar o culto urbano e tornear os oradores corânicos menos atreitos ao poder. Nisso tudo até se pode considerar que em Portugal seja pensado pelo estado um "cautela e caldos de galinha" político, uma associação benfazeja com o cultuar muçulmano para obstar à disseminação de mesquitas "populares", putativamente radicalizáveis nos tempos que correm.

Em suma: a questão é se devemos tornear a laicidade do Estado (que é uma conquista histórica, fruto de lutas políticas, e está inacabada), ou seja, se devemos regredir civilizacionalmente, nos nossos termos de "civilização", em nome de um cuidado com as vagas migratórias. E eu acho que não. Que há outras formas de integrar (não no sentido de des-identificar, mas no sentido de atribuir as mesmas possibilidades de exercer os direitos de cidadania - tal como os entendemos - aos imigrantes, de os inserir). Obstar à proliferação dos esconsos radicais, sim. Apoiar a possibilidade cultual, sim. Apoiar a construção de templos, no âmbito dos nossos planos urbanísticos, sim. Construir templos, quebrar a distinção religião/estado? Nunca

E não esqueço que este bloco que está no poder andou há uns anos (google-se e encontra-se o prestigiado Louçã e afins) a invectivar a existência de crucifixos nalgumas pequenas escolas primárias no que resta da ruralidade portuguesa. Onde está o Wally, agora?

(Colocado no "Courelas")

06
Mai16

Marcelo em Maputo

jpt

dilon.jpg

Dilon Djindji (fotografia de Werner Puntigam), Kika Materula, Moreira Chonguica, Stella Mendonça, Stewart Sukuma foram condecorados pelo nosso PR. O reconhecimento, que é agradecimento deste nosso lado, do mérito próprio e dos efeitos identitários das suas obras, marcos na música urbana moçambicana e na cosmopolitização do país. É uma excelente escolha, de artistas e dos seus percursos – o agraciar do falecido Venâncio Mbande, do tão idiossincrático José Mucavele e da diva Zena Bacar teria alargado o espectro social e musical, mas dizer isto não é mínima crítica,é apenas minha divagação.

Marcelo falou muito bem na ocasião e demonstrou não só que conhece mas também que pensou (e bem) – pois é óbvio que não se tratam de palavras de assessor. E deixa um sinal – ao descentrar a atenção estatal da área literária e do “galerizável” (artes “expositivas”) está a explicitar algo fundamental, muito esquecido pelas nossas instituições e seus oficiais: as ligações culturais, as imaginações cruzadas, não radicam na língua comum. Usam-na, quando possível. Espero que isso seja percebido.

Depois disto, daquele ontem, Marcelo “é o meu homem”. Haja quem o siga no pensar as relações entre os dois países.

(Publicado no Courelas)

Bloguista

Livro Torna-Viagem

O meu livro Torna-Viagem - uma colecção de uma centena de crónicas escritas nas últimas duas décadas - é uma publicação na plataforma editorial bookmundo, sendo vendido por encomenda. Para o comprar basta aceder por via desta ligação: Torna-viagem

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador

Em destaque no SAPO Blogs
pub