Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nenhures

Nenhures

22
Jun21

A Câmara Municipal de Lisboa

jpt

cml.jpg

É muito interessante este editorial sobre a Câmara Municipal de Lisboa. Claro que não posso afiançar da exactidão dos números relativos à CML mas o seu gigantismo clientelar é escalpelizado. Isto mostra bem o funcionamento deste partido "mexicano" (como se dizia há décadas, em alusão ao PRI) que é o PS.
 
Vendo isto percebe-se o silêncio da classe média lisboeta diante do horrível desmando destas denúncias inconstitucionais que Medina capitaneou nos últimos anos. É um mundo de funcionários do Estado e da Câmara, e de subsidiados directos ou indirectos. O silêncio é d'oiro, para a reprodução destes estatutos socio-profissionais.
 
Mas mais ainda mostra como é difícil mudar o poder no concelho. Pois estes são os habitantes. Muitos dos mais jovens, muitos dos mais pobres, muitos dos trabalhadores não dirigentes do mundo empresarial trabalham em Lisboa mas dormem e votam nos arrabaldes. Enfim, Medina é execrável. E a CML tem que ser reformulada, é um monstro inaceitável. Mas como mudar isto, se são os clientes que votam?

 

(Porto Canal, Jornal, Editorial, Tiago Girão 21 Junho)

22
Jun21

Alemanha-Hungria "lgbt"

jpt

57965673_303.jpg

Sei que alguns dirão deste postal que é botado por um vil homofóbico. Outros avançarão mesmo que "o velho é mas é um recalcado". Enfim - e sem mais delongas sobre as minhas hipotéticas pulsões -, vejo que a Alemanha receberá a Hungria nesta jornada do Europeu. Os húngaros acabam de aprovar uma lei avessa à sinalização da normalidade da homossexualidade junto de menores, entre outras moralices. E a federação alemã de futebol pondera (ou já decidiu) afrontar isso, decorando o estádio desse jogo iluminando-o com as cores simbólicas do movimento internacional homossexual. Um ministro de Orbán já protestou contra a mistura do futebol e política (como se estivessem apartados). E os paladinos do identitarismo em voga apupam-no enquanto louvam a Alemanha por esta atitude (nesta semana os tipos do BE não dirão que a Merkel é nazi e que o seu país gosta desta crise do Covid-19 porque com ela lucra). 

Daqui a pouco, entre 1 e 5 de Setembro decorrerão duas jornadas da qualificação europeia para o próximo Mundial. Será que as federações nacionais de futebol irão ter proclamações políticas sobre questões relevantes, afrontando selecções adversárias devido a problemáticas como a fragmentação petrolífera, as questões palestiniana e cipriota, a exploração de recursos árticos, o estatuto de Gibraltar (que também joga), a guerra na Ucrânia, etc.? Não, então reinará o tal apartar entre "política" e "desporto". O qual, hoje em dia, só se dilui nas questões "identitárias", como se estas éticas. 

Mas se o fundamental actual são estas coisas "identitárias", das "liberdades individuais", pergunto-me uma outra coisa: o Mundial-22 é no Catar. A federação portuguesa, "instituição de utilidade pública", concordou com isso, e até terá votado favoravelmente. Tal como a alemã. País com o qual Portugal jogará um particular no dia 4 de Setembro. Ora no Catar as pessoas com uma peculiar parecença comigo, com a minha "identidade" como se diz agora ainda que eu não a reclame, podem ser condenadas à morte. Entenda-se, não só é proibido sinalizar a nossa normalidade aos menores de 18 anos. Pode-se ser condenado à morte! Como em vários outros países, para além de outros onde gente com essa semelhança sofre pesadas discriminações. E, se o argumento quantitativo é importante, na Europa são bem mais do que os homossexuais. 

Mas agora, ao fim destes anos todos deste convívio e conúbio, de turismo e negócios conjuntos, e até de tantos futebóis com estes Catares, toca de agitar os bracinhos abespinhados no jogo da bola húngaro, colori-lo com as cores correctas, afrontar os malvados? E depois, muito ciosos da cidadania europeia, arrumar os cachecóis da selecção até ao próximo Mundial? No Catar? Deus Nosso Senhor me perdoe, mas que .... gentinha. Que hipocrisia bacoca.

22
Jun21

Os chinelos da PSP

jpt

psp.jpg

"A bem dizer" eu não vou à praia: as águas são gélidas - mesmo lá nas cercanias de Tavira onde os ex-bobo se acotovelavam há uns anos na "Fábrica" - e magoam-me a ossatura; os "industriais" (como se lhes chamam, e sem aspas) das esplanadas de areal são careiros e, ainda por cima, põem banda sonora; e, pior do que tudo, estão lá os outros, em muitos sítios até imensos, os quais são, como é consabido, o Inferno na Terra.
 
Em assim sendo nem devia falar disto. Mas não aguento, pois esta campanha é a resenha desta histeria sanitária actual, tornada festim de estatismo, de apologia da tutela. Já não bastava esse delírio de me dizerem que teria de ir com máscara para a praia - mesmo sendo "maior e vacinado" e ali ao ar livre. E agora vem a PSP dar-me indicações para meter uns chinelos, esses que os pindéricos cham(av)am "havaianas", para suster o meu chulé.
 
Entenda-se bem, se me aparecesse um "Xô Guarda" gentilmente a recomendar-me que usasse sandálias (para evitar o Covid?) eu ainda poderia reconsiderar. Agora o Estado a recomendar-me que use chanatos? Não haja dúvida, ao ministro das polícias está-lhe a puxar o pé para a chinela...

21
Jun21

30 000 árvores plantadas nos Olivais, em Lisboa

jpt

arvores olivais.jpg

De árvores percebo pouco, mal distingo um pinheiro de uma macieira, à maioria delas nem sei dar nome e, de facto, só sei mesmo que chaparro quer dizer "árvore isolada". Ou seja, nestas coisas silvícolas vou como aqueles cientistas sociais, colunistas de Expresso e Público, académicos-activistas que confundem "raça" e "etnia", usando-as como equivalentes. Ou seja, eu não percebo nada de silvicultura, que não estudei mas já devia ter aprendido algo. Eles não percebem nada de ciências sociais, que estudaram. E já deviam ter aprendido algo.
 
Vem esta minha confissão de ignorância a propósito desta foto da campanha do PS dos Olivais. Antes esse partido informara-nos ser ele que nos tem vacinado. E agora avisa que plantou 30 000 árvores na freguesia (uma por eleitor, grosso modo). Óptimo. Mas peço a quem perceba da poda que me explique: 30 000 plantadas árvores nos Olivais? Pelo PS? Onde, como e o quê? E sob que critérios, e com que avaliações dos processos?

20
Jun21

Alemanha-Portugal (crónica)

jpt

golo.jpg

(Postal para o És a Nossa Fé)

É fácil comentar a posteriori e o teor da análise depende(-me) sempre do resultado final, seja lá qual for a maneira como os nossos lá chegaram. Já sobre o jogo com a Hungria botei na minha taberna: "Como é óbvio contestei com vigor e sageza veterana o pendor conservador do nosso engenheiro seleccionador, antevendo uma deslustrada campanha sob tal "motorista". E elogiei a extrema capacidade do nosso engenheiro seleccionador - sempre avesso à fugaz embriaguês do espectáculo - montando uma equipa tacticamente irrepreensível, delineada para enfrentar os gigantes que se sucederão, e clarividente nas letais e oportunas alterações que decidiu, mostrando que iremos longe sob tal "motorista"."  Aparente oscilação devida, claro, à bem sucedida carambola de Raphael Guerreiro aos 80 e tal minutos.

Para o jogo de ontem as minhas expectativas eram sombrias. Não só devido ao tradicional poderio da Mannschaft, já teorizado por Gary Lineker: "Football is a simple game. Twenty-two men chase a ball for 90 minutes and at the end, the Germans always win". Mas também porque Carlos Manuel, notoriamente fora de forma, não foi convocado por Fernando Santos. Ainda assim, e muito devido à influência do meu personal coach Rebelo de Sousa, concentrei-me com afinco para o embate: do Lidl de Nenhures convoquei 2 caixas camarão a cinco euros cada e uma caixa de mines Argus, que se associaram ao bloco Karlsqueel chegado do rival Aldi vizinho, a um pacote de amendoins com casca e a um balde de tremoços temperados oriundos de agremiação local, seleccionados pela restante equipa técnica. Vigorosa estava a maionese mezinha caseira.

As sensações iniciais do jogo foram contraditórias. O inicial golo alemão logo azedou o ambiente, anunciando o algo já esperado, apenas adiado devido ao fora-de-jogo arrancado à unhaca do teutão marcador. Mas logo de seguida o antológico golo do CR7, com arte e engenho surgido do até então pântano luso, veio reanimar as hostes comensais e o espírito de Sérgio Conceição pairou, em tricórnio, sobre a sala. Depois... enfim, já todos o sabemos, o esquerdismo germânico irrompeu, revolucionário, devastando o nosso aburguesado "centrão": os amendoins foram ditos chochos, os tremoços apimentados em demasia, os camarões nada condignos da saudade moçambicana, as cervejas chilras. A própria mezinha afigurou-se já antiga. Ao intervalo houve inflexão táctica, passando-se a privilegiar o recurso ao muro d'Amber Leaf, antes chegado do Continente da vila, comprovando que em dia de selecção não há clubismo comercial.

A segunda parte trouxe novidades televisivas. Jogou aquele rapaz que é um bluff, uma artimanha do Jorge Mendes que o impingiu aos bávaros para favorecer o Benfica, mas que a crise nacional recentemente elevou a D. Fuas Roupinho. E que me lembre também entrou João Moutinho, que "bate bem". E, claro, "se perdermos que se foda", o que é bem verdade, pois "seja o que Deus quiser". Houve outros rapazes que entraram mas já não atentei muito, ocupado em limpar cinzeiros, deitar fora as cascas dos amendoins, tremoços e camarões, lavar a loiça e, acima de tudo, em separar o lixo, por deveres impostos pela sensibilidade ecológica. O jogo terminou e sala e cozinha estavam um brinco.

Sentei-me cá fora a bebericar um café e a minha audiência anuiu no que sentenciei: que em Roma devem ter gostado do que viram pois que grande Rui Patrício! Levou 4 e mais poderiam ter sido, não fora ele. Devem estar ansiosos para receber o verdadeiro "Muro de  Marrazes". E - o que só é novidade para deficientes profundos - que extraordinário é o CR7: um golo antológico, "para mais tarde recordar". E nisso não só igualando Klose como melhor marcador de sempre em finais de Mundiais e Europeus, como também igualando o recorde de passes para golo em Europeus, naquilo de reanimar uma bola quase defunta e dá-la ao codicioso Jota.

Depois, e já bebericando o aprazível Queen Margot adquirido em Lidl lisboeta, assisti às declarações de um ror de painelistas críticos. E, já noite longa, decidi-me a deixar curto ensaio sobre a situação nacional, seguindo a metodologia que Silas apresentou nos comentários que fez em directo ao jogo. Ou seja, professando o "como eu digo", assim fiel à omnisciência própria. Como tal começo por considerar que neste Alemanha-Portugal se notou, como eu digo [e já em 3.3.2020], que urge "Rúben Neves (se o Grande Engenheiro abrir os olhos e se deixe de Adamastores ...) nas armadas de João Félix e Diogo Jota, almirantadas pelo Cristão Ronaldo.". E isso era e é óbvio. Rúben Neves é um belo jogador, tem já enorme experiência de futebol intenso, é um excelente trinco que faz jogar e tem uma magnífica meia-distância. Como é que é possível que esteja sentado enquanto joga Danilo? E, pior, quando joga William, esse que já no Sporting me fazia careca devido ao seu constante footing? Quanto mais agora, anos passados e habitante do banco do sofrível Betis? Enfim, são os tais Adamastores a que me referi.

Fernando Santos, na sua crença mariana, não preparou a equipa para este Europeu. Levou a anterior. E isso é notório ao constatar que Palhinha e Neves nunca jogaram juntos, Palhinha, hoje em dia o homem para jogar a 6, é tipo para jogar a trinco-solo. E muito provavelmente desentender-se-á se num duplo trinco com Rúben Neves, que é homem para jogar a 8 [ou 6,5]. E pior ainda se se estreasse essa combinação num jogo decisivo diante do melhor meio-campo do mundo (Kanté é um gigante). Esta dinâmica de meio-campo (a propalada "casa de máquinas") é o crucial e Santos "achou" que não era problema, que estava tudo como em 2016. Vê-se...

Tudo isto assenta num esquecimento construído, o do verdadeiro trajecto desta selecção muito rica em jogadores mas cujos constantes tropeções fizeram que viesse a cair neste "grupo da morte" no sorteio para este Europeu. De facto a vitória de 2016 foi uma sorte espantosa, tipo a da medíocre Grécia em 2004, mas ainda mais, pois com pior futebol. Apenas a inicial euforia e o posterior e constante patrioteirismo nos impediu de sublinhar isso. O troféu seguinte, secundário, mais mascarou isso: foi conquistado com equipas jogando menos empenhadas e com Portugal muito mais solto, dada a menor responsabilidade. E já o Mundial 2020 foi uma campanha desperdiçada, um belo plantel com um futebol pobre, uma equipa equivocada, resultados cinzentos num futebol algemado. Só não viu isso não quis. Ou seja, o que está a acontecer agora não é surpresa. Certo, pode ser que tudo se arranje, uma passagem à fase seguinte, umas vitórias, e pronto de novo o relativo sucesso, e mais agradecimentos e romarias a Fátima.

Mas para que isso seja possível todos querem mudanças na equipa. Sobre as do meio-campo já resmunguei o suficiente. Mas também se clama pela mudança dos laterais. Mandar Nuno Mendes aos 18 anos, e sem experiência de selecção, para travar Mbappé? Este com Pogba nas costas e Pavard a subir que nem um louco? O miúdo é muito bom, e se calhar até arrancaria um grande jogo, mas colocá-lo agora seria um "fezada". Monta-se uma selecção nacional com "fezadas"? Também se pede Dalot - que é mais experiente mas é ainda mais excêntrico à selecção. Estrear o homem num jogo contra a França, decisivo? Mas o problema não são os laterais - por mais que Nelson Semedo não seja o jogador que anunciaram há anos -, são os alas do meio-campo (quais?, existem?). Pois não defendem, não acompanham os laterais. E nisso dá também para perceber um dado: a nossa selecção não tem extremos, não há um tipo a ir à linha. No país de Futre, Figo, Quaresma, CR7, e tantos outros, já  não há extremos. Haverá Neto, mas está lesionado. O resto são "interiores", tácticos. Que porventura fintam em raid se jogando com o Appoel ou o Tondela. Mas não num Europeu.

Enfim, passe-se ou não às fases seguintes isto é um colapso de Fernando Santos, por mais simpático que nos seja o "engenheiro do Euro". Em 2004 Scolari engoliu em seco o seu falhanço, deu a mão à palmatória, escondeu isso no discurso imbecilizador que tinha, e a partir da derrota inicial meteu o Porto de Mourinho a jogar. Só lhe faltou a sensibilidade táctica para ganhar a final aos pobres gregos - algo que Mourinho teria feito num piscar de olhos. Mas Santos não tem um bloco pronto a utilizar, devia tê-lo pensado.

Já perorei a minha irritação. E muita dela é porque temos uma escola extraordinária de treinadores e levamos com isto, esta selecção algo amarfanhada, desde há anos. Ainda assim, e porque consciente da minha sageza futebolística e do como ela pode contribuir para o sucesso in extremis da nossa selecção nesta campanha, boto a minha equipa para sacar o ponto necessário diante do campeão mundial: 1) o Grande Rui Patrício; 2) Nelson Semedo; 3) Pepe, Magno; 4) José Fonte; 5) Nuno Mendes; 6) Palhinha; 7) Bruno Fernandes (feito ala direita); 8) Ruben Neves; 9) Cristiano Ronaldo; 10) Renato Sanches (ao centro, para a frente, pois não defende e não é nestes dois dias que vai aprender); 11) Rafael Guerreiro.

Mas é claro que se Fernando Santos insistir na sua ideia e tiver sucesso aqui escreverei: "como eu digo" é de elogiar a extrema capacidade do nosso engenheiro seleccionador - sempre avesso à fugaz embriaguês do espectáculo - montando uma equipa tacticamente irrepreensível, delineada para enfrentar os gigantes que se sucederão, e clarividente nas letais e oportunas alterações que decidiu, mostrando que iremos longe sob tal "motorista"." 

18
Jun21

O bode expiatório da Câmara Municipal

jpt

medina.jpg

O programa televisivo de ontem de Paulo Dentinho. A partir dos 13,20 minutos o painel de jornalistas, com correspondentes estrangeiros - mais libertos das pressões muito nossas - debatem com pertinência o "affaire Medina".

Hoje Medina veio falar. Até agora ele, o PM Costa, locutores do PS, foram tentando elidir o facto. Costa quis resumir isto a um caso de "balcão". Mas afinal não é. Vários textos tentaram "sacudir a água para cima do capote" do quadro municipal Laplaine Guimarães (seja como directo responsável seja como chefe do responsável), com a imprensa a explicitar - "como quem não quer a coisa" - que é um militante do CDS, num óbvio alijar de responsabilidades partidárias. Mas nenhum jornalista refere que L.G. não será um "submarino" da (extrema-)direita: foi colaborador do presidente da câmara Sampaio e daí transitou para seu assessor durante a presidência da República. Ou seja, há três décadas (porventura ininterruptas) que é credor de confiança pessoal e política por parte de dirigentes socialistas, facto saudável em democracia e que se deverá, decerto, à sua competência e, também, à sua consabida afabilidade. Alongo-me neste caso pois é denotativo da manipulação da informação que acompanhou esta notícia.
 
A tentativa de elidir a importância disto, como se de um mero erro se trate, foi também reforçada pelo irritante "engraçadismo" que por aqui grassa. A profusão de imagens jocosas associando Medina a uma ex-URSS, buscando gargalhadas alvares, ajudou a centrar a questão na relação com a autocracia russa (até no início deste debate televisivo isso se nota), permitindo a ideia desculpabilizadora de que se trataria de um erro, "lamentável", apenas com uma ocorrência. Um triste episódio, por assim dizer.
 
Ora o relevante não é isso. Hoje Medina veio dizer o que de imediato havia surgido como óbvio: trata-se de um problema sistémico. Ele reconhece que houve pelo menos 52 situações destas ao longo de praticamente uma década. Ou seja, sob a sua guarda (primeiro como nº2, depois como presidente) o gabinete presidencial transmitiu a potências estrangeiras os dados pessoais de cidadãos portugueses e estrangeiros que exerciam de forma legítima os seus direitos constitucionais.
 
O "bode expiatório" para este problema sistémico está encontrado, um qualquer tipo exonerado. Decerto que não foi ele que promoveu as 52 violações mas quer-se que sirva para calar o povo. Não tenho qualquer simpatia pelo dito "bode". Não se trata de um lumpen, contratado à jorna, com a prole faminta em casa, como se saído dos romances de Dickens, obrigado a abdicar de belos princípios em função da sobrevivência da família. É um quadro médio da administração pública, tem um ordenado decente e, acima de tudo, serviços médicos reforçados e elevada segurança laboral. Assim sendo, teve este "bode", tal como os seus antecessores e seus colegas, mais do que condições para se recusarem a fazer estes envios, a procurar alterá-los internamente. E, caso isso fosse impossível, a denunciá-los publicamente em tempo devido. Mas não, o que temos é um quadro da administração camarária com um "bode" e muitos seus colegas propensos a actividades policiescas. E que se permitem actuar dentro do que cai no espectro da traição, termo em desuso mas que define o acontecido: prejudicar de modo ilegal os direitos de cidadãos nacionais e/ou residentes em favor de interesses ilegítimos de potências estrangeiras.
 
Mas imolar um escasso "bode" não chega. Pois uma década de escandalosa violação da lei, de radical espezinhar do espírito democrático e do tal favorecimento ilegítimo de países estrangeiros, por apenas inconsciente incúria que tenha sido, exige... responsabilização política. Ou seja, que ao "bode" se junte a "vaca sagrada".
 
De facto, tratar-se-á apenas de um "boi de piranha". Pois tudo continuará na mesma. Dado que não há mesmo forma de sairmos deste triste estado das coisas.

17
Jun21

O Partido Socialista vacina a população

jpt

oliv.jpg

De vez em quando abordo o absurdo caciquismo, ignorante e rasca, da Junta de Freguesia dos Olivais e da sua presidente, a socialista Rute Lima (também colunista do "jornal de referência" Público). Espanta-me, acima de tudo, como é possível nos tempos actuais encontrar este baixo nível numa grande freguesia (cerca de 32 mil eleitores) do centro de Lisboa. O disparatado pessoalismo das publicações autárquicas, pejadas de fotos e dizeres da presidente, os cartazes do mesmo teor. Tudo o que autárquico é serve para a impudica propaganda de Rute Lima e seu partido. O Estado e a Autarquia não existem. Apenas ela e os seus próximos. E a população serve de figurante, desgraduada em povoléu. O ambiente nesta vizinhança parece mesmo o de outros tempos e outros lugares.
 
Agora acabo de receber esta fotografia. Após 17 meses desta pandemia e das trapalhadas estatais, o mínimo que poderemos dizer é que estamos juntos, nós país, nesta dolorosa e ruinosa travessia. E no centro de Lisboa, em 2021, esta Rute Lima, do Partido Socialista e do "jornal de referência" Público, vem-nos dizer que foram eles, o PS, que vacinaram a população, os 90%.
 
Até pelo momento que vivemos isto é o mais abjecto que já vi no nosso país. E temos que coabitar com esta gente, nos Olivais e alhures, com estes socialistas, militantes, adeptos, clientes. Isto é desesperante.

17
Jun21

O Meu Sporting

jpt

spor.png

(Matadouro, Ilha de Moçambique, Maio de 2008)

Blogo desde 2003. Dessa verdadeira mania de perorar resultou uma enorme quantidade de textos, irresponsáveis pois sem objectivos, agendas ou causas que não fosse a minha vontade palradora. A alguns ainda lhes encontro sentido. Desses, juntando-lhes alguns outros publicados em jornais, fiz já seis colecções.

Ao longo dos anos fui colocando alguns textos sobre o Sporting. Há cerca de uma década integrei o blog sportinguista És a Nossa Fé!. O que aumentou a minha atenção sobre o clube e o número de textos que lhe fui dedicando. Para mim o futebol é um placebo, sarando as agruras da vida. Ou seja, quanto mais ando em futebóis pior estou, isso é garantido. E não sigo muito institucional, qual adepto modelo, desses mergulhados na vida associativa e no acompanhamento das actividades desportivas. Mas vou botando sobre o assunto, numa mistura mistura entre o adepto, que finge tão completamente que chega a fingir que é clubismo o clubismo que deveras sente, e o bloguista, que julga ser o Sporting, mais do que qualquer outro clube, um verdadeiro microcosmos do país, dos processos vigentes em Portugal. Também por isso me vou deixando levar pelas várias crises directivas do clube.

Agora fiz uma colecção de 41 textos sobre o Sporting e o futebol. Chamei-lhe “O Meu Sporting”. Quem nela tiver interesse bastar-lhe-á "clicar" no título e gravar o documento pdf.

Tal como todas as outras minhas colecções esta é uma memória, dedicada à minha filha Carolina. Pois pode ser que um dia venha a ter curiosidade sobre o que o pai andou a botar em blogs e jornais, nesta escrita inútil e desinteresseira. E se outros encontrarem motivos de interesse e mesmo prazer no aqui agreguei isso ser-me-á agradável. Bastante, mesmo, digo-o desprovido de qualquer pingo desse blaseísmo que tanto abomino.

*****

As minhas outras colecções de textos (basta "clicar" nos títulos e gravar):

1) Portugal às Avessas  (textos sobre Portugal);

2) Ao Balcão da Cantina  (crónicas sobre vivências e viagens em Moçambique);

3) A Oeste do Canal (textos sobre temas culturais moçambicanos);

4) Torna-Viagem (memórias);

5) Um Imigrante Português em Moçambique (sobre as experiências daquele quotidiano);

6) Leituras Sem Consequências (sobre livros e artistas, na sua maioria moçambicanos).

16
Jun21

Hungria-Portugal (crónica)

jpt

hungpor.jpg

Ontem - tal como tantos - acompanhei o jogo no meu camarote-sofá, de cachecol apesar do calor. Como é óbvio contestei com vigor e sageza veterana o pendor conservador do nosso engenheiro seleccionador, antevendo uma deslustrada campanha sob tal "motorista". E elogiei a extrema capacidade do nosso engenheiro seleccionador - sempre avesso à fugaz embriaguês do espectáculo - montando uma equipa tacticamente irrepreensível, delineada para enfrentar os gigantes que se sucederão, e clarividente nas letais e oportunas alterações que decidiu, mostrando que iremos longe sob tal "motorista".
 
Antes do jogo, já em estágio no sofá, tive uma distracção, inadmissível nos antecedentes de um jogo de tal importância que tanto esforço exige do 12º jogador. Pois li que o nosso presidente da República disse para não nos distrairmos com as questões da política sanitária, minudência que nos importuna há 17 meses. Tendo apelado para que nos concentrássemos no que realmente importa, a campanha da selecção de futebol neste Europeu.
 
Confesso que até em Sousa, de longe o pior presidente da república desde 1976, um poço de tétrica demagogia, tamanho desplante me desnorteou por momentos. Felizmente, após alguns minutos de desconcentração, reencontrei o rumo. E pude assim contribuir para a vitória da equipa de todos nós contra os perigosos húngaros ("não é por acaso que os chamam magiares", como alertou em tempos um prestigiado luso).
 
Para quem queira acompanhar os motivos da minha ira diante destas manigâncias presidenciais, deixo ligação a um postal que coloquei no ma-schamba em Junho de 2004, aquando do Euro-2004. Contém a transcrição de uma entrevista a João Nuno Coelho, que estudara a produção do discurso político através do futebol.
 
E insistindo, diante de um PR a dizer-nos para pensarmos na bola e esquecermos esta coisa da política do Covid, deixo ligação para um texto meu de 2011, também no ma-schamba, sobre esta futebolização que nos quer estuporizar.

14
Jun21

A inauguração do Parque Gonçalo Ribeiro Telles

jpt

ribtel.jpg

A semântica é tudo: para Fernando Medina a questão de entrega de dados pessoais de cidadãos portugueses e estrangeiros residentes a representações diplomáticas foi um "problema" que está a ser usado para "aproveitamento político".
 
Felizmente tudo é passado, pois Medina inaugurou ontem o Parque Gonçalo Ribeiro Telles (à velha praça de Espanha). Ficam pois sossegados aqueles que o deputado José Magalhães reconhece como "espíritos apegados ao debate sério" que poderão fazer a "discussão aprofundada" livres da “ democracia de gritaria“ e dos efeitos da "refrega eleitoral".

Quem somos

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub