Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nenhures

Nenhures

11
Jun23

O estado da imprensa portuguesa

jpt

bs.jpg

"Como eu já disse, considero o Bernardo Silva o jogador mais inteligente do mundo, seja lá o que isso quer dizer!"  - dito durante o jogo Manchester City-Inter, final da Liga dos Campeões, pelo comentador da TVI (provavelmente Rui Santos, não posso confirmar pois depois de uma atoarda passei para o canal Eleven no qual também se transmitia o jogo).

Não há melhor exemplo do vácuo perorar em que vegeta a imprensa - desportiva e não só - nacional.

30
Mai23

A recepção camarária ao Benfica

jpt

Miguel A. Lopes.jpg

(Fotografia de Miguel A. Lopes/Lusa)
 
Terminou o campeonato nacional de futebol e seguiram-se os festejos. Há quem lamente a alienação popular, essa que conduz milhares (milhões) ao êxtase por causa dos sucessos de uns tipos (endinheirados) que dão uns pontapés na bola. Tudo isso em detrimento de uma verdadeira cultura - esta normalmente sinalizada por livros, os produtos mais associados a essa tal cultura, pois raros são os que para afirmarem a sua pertença à "Alta Cultura" mostram os seus arquivos digitais epub ou pdf, o rol de música gravada ou mesmo os velhos cds/vinis, ou a arte, original ou replicada que afixaram em casa própria, ou quaisquer outros itens patrimoniais.
 
Há dois anos o meu Sporting foi campeão, quebrando um longo jejum que durava desde bem antes de sofrer eu da maldita radiculite que me triturou nos últimos dias. E lá fui eu, proto-sexagenário, rumo ao Marquês, adornado e eufórico, em companhia amiga para comemorar a vitória dos tais (nossos) pontapeadores da bola. Grande alegria, grande festa (o futebol é festa - e não devia ser pancadaria, mas isso é outro assunto). E aviso os mais renitentes - há tempo na vida para um tipo puxar pela cabeça o mais que pode (com os resultados dependentes das capacidades de cada um) e também se deliciar com as futeboladas. E com as futebolices (entre as quais a mais deliciosa é gozar os outros, nas derrotas e nos triunfos, claro está).
 
Ontem, dois dias depois do triunfo benfiquista e do subsequente arraial dos adeptos na Marquês de Pombal - e não anteontem, domingo, como seria mais normal e até adequado ao ritmo urbano - o presidente da Câmara da sede do clube campeão cumpriu a (recente?) tradição de receber a equipa campeã nacional. E nisso o povo adepto acorreu a saudar os jogadores - um post-scriptum da festa. Julgo esta recepção autárquica exagerada - não se cumpre para todos os desportos existentes - mas é apenas um ademane populista dos autarcas. Não é por isso que cairão os vizinhos "Carmo e Trindade".
 
Na televisão ouvi um pouco do discurso do presidente Moedas. Texto talvez da sua lavra, porventura de um qualquer assessor mais benfiquista... Achei-lhe eu, sportinguista, um tom demasiado enfático. E àquilo de "Cosme Damião e mais 24" terem criado o "sonho de Lisboa" resmunguei um "nunca mais voto neste tipo" e mudei de canal - desiludindo-me com alguém que até gostaria que estivesse num lugar mais importante, rumo a São Bento. Enfim, talvez não venha a cumprir esta minha imprecação, mas senti o autarca por demais lampião para momentos oficiais...
 
Mas enfim, azia futebolística à parte, o que é mesmo criticável - verdadeiro sinal de alienação -, e agora sem qualquer ironia, é que essa recepção aos jogadores de futebol tivesse sido acompanhada em directo por 7 canais televisivos. Sete. Mais o canal Benfica, mas esse é evidente que cumpria a sua função nesta transmissão.
 
Sete (+ um) canais televisivos a transmitirem o percurso do autocarro pelas ruas de Lisboa e a ascensão dos jogadores à varanda da câmara. É totalmente demencial. E um sintoma do boçalismo das direcções editoriais. E não me venham dizer que isto que resmungo é antibenfiquismo.

27
Fev23

50 Anos, 50 Vultos

jpt

clrm.jpg

"50 anos, 50 vultos" (de portugueses), é uma iniciativa comemorativa do cinquentenário do mais-do-que-nunca lisboeta jornal "Expresso" (Medina e Moedas são dois dos escolhidos, haverá maior lisboetice do que esta?). Os critérios são sempre subjectivos, e a direcção do Expresso é soberana nesta selecção - até porque não prejudica nada nem ninguém neste seu rol, pois dele não vem mal ao mundo.
 
Eu é que, hiper-sensível, me acabrunho um pouco mais. Pois não é que os jornalistas escolheram um punhado de vultos do desporto, devido aos seus cometimentos e aos seus impactos na sociedade. Mas estes dois não estão. Das duas uma: ou a malta do "Expresso" não percebe nada daquilo a que se propôs. Ou eu estou muito velho. Ou, pior ainda, "ambas as duas...".

11
Fev23

A ilusão biográfica

jpt

ipsilon.png

Os meus amigos (os reais) - e alguns dos que vão tendo paciência para me aturar in-blog - sabem da minha resmunguice de décadas, desgostosa, com o jornal "Público". Em tempos idos devido ao ror de asneiras que nele se botava sobre Moçambique. Depois também devido ao patetismo histriónico da célula bloquista identitarista que lá pulula, feita de académicos e jornalistas necrófagos do já decomposto império, gente demagoga, atrevida e - pior do que tudo - convencida de si-mesma. 

Em suma, não uso ler o periódico. Exceptuava quando o café "Arcadas" dos Olivais vigorava: sendo eu cliente habitual o "sô" João, sportinguista como deve ser, fazia-me acompanhar a bica matinal com o empréstimo do "Record" e por vezes considerava adequado recomendar-me a leitura do Tavares daquele dia, por particularmente acerado face ao estado da nação... Mas agora, falecido o nosso recanto, entretanto comprado por um qualquer "empreendedor" chinês, nem isso. Mas vou ler - masoquista - quando vejo referências a mais uma patacoada "africanista" que por lá tenha florido.

 

 

04
Out22

Em defesa de Chagas Freitas

jpt

São patéticos (para não dizer patetas) toda aqueles que foram lestos a criticarem a representação de Portugal na UE (a REPER, o célebre acrónimo) por ter recomendado a leitura do curandeiro Chagas Freitas num qualquer "concurso" internacional, e depois se desunham a partilhar (e "gostar") as pungentes, de inenarráveis, "crónicas" de Luís Osório. É inadjectivável o sucesso que aquela tralha tem...

01
Out22

A imprensa e o "Terceiro Mundo"

jpt

estoril.jpg

Há dias houve (mais) dois episódios bem denotativos do ambiente, muito induzido, vigente nos espectáculos desportivos, que vai passando incólume diante da opinião pública  - que continua a considerar muito normal a "oposição" entre adeptos - e do Estado, apesar dos sucessivos governos produzirem declarações de boas intenções e, até, criarem "organismos" destinados à vigilância e pacificação desses espectáculos. Agora as coisas vieram mais para os escaparates dado que havia crianças envolvidas nos dislates, primeiro em Famalicão, depois no Estoril (como a fotografia ilustra). 
 
A ausência de repressão sobre a ralé clubista é notória, bem como o seu acarinhar, tanto pelas "instituições de utilidade pública" que são os clubes desportivos como pela imprensa, que se desdobra em mesuras e atenções para os "dirigentes" e actividades dessas faunas. E nisso há uma inculta incompreensão sobre as características (repito, muito induzidas) destes processos. 
 
Por isso tanto me chamou a atenção um postal do escritor moçambicano Luís José Loforte), que resume bem a ignorância da imprensa portuguesa que aflora o assunto. Pois há dias disse Loforte: "Nos jogos [de futebol] em Moçambique tenho notado que cada um vai com a camiseta do clube da sua predilecção e senta onde bem lhe apetece, ou onde a sua carteira lhe permitir, sem problemas e onde quer que seja. Foi pungente a imagem do menino português, adepto do Benfica, obrigado a assistir o jogo de tronco nu apenas porque estava entre adeptos do Famalicão. Mais triste ainda foi um jornalista [televisivo] a dizer: "Até parece um país do terceiro mundo!". E quando li tamanha burrice, conclui: como Moçambique, por exemplo!"
 
Não haja dúvida, uma imprensa do "Terceiro Mundo". E uma tutela estatal sobre o desporto que é do "Terceiro Mundo". Isto para se falar de forma a que esta ignorante gente perceba...

17
Ago22

A Polícia e a imprensa

jpt

faca.jpg

O filme está aqui: o Jornal de Notícias noticia que dois polícias agrediram um homem com um cassetete e que as imagens divulgadas geraram uma onda de indignação. O Expresso é ainda mais enfático, publica a imagem (um fotograma do mesmo filme) acompanhado de uma legenda denunciante,

numa óbvia condenação do acontecido ao "cidadão" (como faz questão de frisar) que estaria "aparentemente desarmado". E o normalmente enfático Correio da Manhã noticia que o homem (o tal "cidadão") ameaçara com "ferros" os polícias depois de o fazer aos transeuntes. E é este "ameaçar com ferros" que é o mais significante de todo este fluxo noticioso sobre a matéria...

Eu, com alguma desatenção, vira o breve filme numa qualquer estação televisiva, que ia acompanhado de uma locução cuja forma não recordo mas que não era simpática aos "agentes da autoridade". Impressionei-me com aquilo, num "lá estão estes gajos outra vez..." (os polícias, claro), aquela meia dúzia de bastonadas num tipo já relativamente imobilizado, mesmo que ainda algo estrebuchando, e - o que mais me impressionou, ainda que tal não seja ilegal - a acção de imobilização através do joelho no pescoço, que ficou mundialmente celebrizada há dois anos quando um polícia americano assim esganou um cidadão, dando azo a grandes manifestações.

Mas nos dias seguintes, e enquanto continuam as denúncias públicas do exagero policial e se anuncia um inquérito a estes dois agentes - os quais muito provavelmente serão punidos, até porque a opinião pública isso parece desejar - percebo outra coisa: os tais meros "ferros" não são ferros... O homem estava na tarde das estreitas vielas do Bairro Alto a ameaçar pessoas. E veja-se a fotografia (fotograma do filme de telemóvel): fazia-o brandindo arma letal - não é exactamente nem sabre, nem espada, nem uma catana, mas a esta se poderá assemelhar, ainda que eu prefira chamar-lhe cimitarra. E o outro "ferro" é uma placa metálica que deverá ter sido usada (imaginada) como um escudo. E diante de um homem assim armado, decerto que exaltado (e muito provavelmente desequilibrado), dois jovens polícias arriscam-se - por dever de ofício - à tarefa de o imobilizar num corpo-a-corpo, e acompanham isso com meia dúzia de bastonadas em zonas do corpo nunca letais, para o aquietar em definitivo. 

Face a isto, filmado ainda para mais, a imprensa chama "ferro" à cimitarra, "cidadão" ao agressor ( - num mundo em que se um tipo chama "gordo" ou "maricas" a outro isso torna-o um agressor, como se definirá um tipo desabrido a invectivar os vizinhos no meio da rua, armado daquela maneira, que não seja como "agressor"? E não "agredido"!) E considera, a imprensa, "agressão" a acção policial. O poder investiga (e tem de o fazer) os dois agentes. A opinião pública resmunga contra a  polícia. 

Há aqui qualquer coisa errada. E não é só o ter sido o homem imediatamente solto (até à sua próxima iniciativa, temo). 

23
Jul22

O caso do treinador Alberto Lário

jpt

atletismo_taca_maputo.jpg

O caso do treinador português Alberto Lário é interessante. Tendo sido detido em Moçambique por não estar correctamente documentado - e assim ilegal no país - foi libertado e, leio agora, não será deportado, o que muito saúdo.
 
Desconheço o treinador, nunca ouvira falar do seu trabalho, que tem sido muito elogiado, e desconheço completamente o que causou esta desagradável situação administrativa. Mas, assim à distância, retiro três pontos de tudo o que tenho lido nos últimos dias:
 
1. Lário nasceu em Moçambique, saiu em criança aquando da independência. Regressou à sua terra natal e, de acordo com a lei nacional, solicitou a nacionalidade. Está há seis anos à espera de uma decisão. Esta imensa delonga é uma situação... típica, como é consabido.
 
2. Li vários, e outros haverá, testemunhos e declarações de moçambicanos reclamando contra esta situação, afirmando a injustiça que Lário sofre(u). E todos sublinhavam o excelente trabalho que o treinador vem fazendo, em prol do atletismo nacional. É normal essa ênfase quando por exercício de cidadania se toma a defesa de alguém. Mas será conveniente recordar (tanto para Moçambique como para Portugal) que os direitos individuais não dependem da excelência do indivíduo. Ou seja, os atletas treinados por Lário poderiam não ter tantas capacidades, Lário poderia ter métodos de trabalho não tão competentes, ou apenas algum azar poderia ter obstado a que se obtivessem tão bons resultados. E nada disso reduziria os direitos do cidadão Lário. E julgo que esta, até antipática, nota pode servir para reflectir não sobre este caso mas sobre a tipicidade que o abrange.
 
3. Um terceiro ponto que é totalmente excêntrico a esta situação. Deixo aqui ligação à notícia, já velha de dois dias, emanada pela agência LUSA, que foi publicada no "Público". Este jornal tem sido, desde há vários anos, o órgão de comunicação social mais demagógico relativamente às relações entre a sociedade portuguesa e as sociedades africanas. Agora publicou esta notícia, no registo neutral da mera "take" recebida. E contrariamente a tantas outras situações com questões (mesmo que levemente) aparentadas, não teve disponibilidade nem interesse para desenvolver o caso ou para dar palco sobre o assunto ao seu habitual núcleo de colunistas antropólogos, estudiososculturais, historiadores, sociólogos e afins, sempre lestos na gritaria "decolonial", ou aos ali recorrentes propagandistas das ong's dedicadas à "justiça social" internacional. Se fosse preciso algum exemplo para sublinhar a profunda desonestidade intelectual que grassa naquele jornal do grupo SONAE, está bem aqui.
 
Enfim, votos de sucessos desportivos para o atletismo moçambicano. E - como sportinguista que bem se lembra dos destratos sofridos pelo meu saudoso Estádio José de Alvalade aos pés das assistências de concertos rock - os meus votos pela preservação das instalações desportivas no Parque dos Continuadores, questão que terá originado esta detenção do treinador.

12
Jul22

500 anos de colonialismo

jpt

Henry_the_Navigator1.jpg

Eu não assino os jornais (nada tenho contra eles, é apenas devido à escassez do vil metal...). Assim, do que não está em acesso livre, vejo os títulos, cabeçalhos e - por vezes, quando são disponibilizadas - as introduções dos artigos. É deste modo que agora - via um cabeçalho do "Público" - vou ao "Expresso" (a imprensa de "referência") onde um afamado colunista, representante da "esquerda", bota o seu juízo sobre o ex-PR angolano Santos. Ancorando as suas práticas nos efeitos de "500 anos de colonialismo"...
 
Ora perorar sobre "500 anos de colonialismo" é, pura e simplesmente, uma indigência intelectual. Ou ignorância alarve ou aldrabice alarve, em plena "imprensa de referência". Mas o que é verdadeiramente pungente nem são as décadas que os jornais passam a acolher esta tralha. São as décadas que os leitores, energúmenos, passam a ler isto.

28
Mai22

O dialecto bantu

jpt

pcpublico.jpg

Leio o "Público", o que me é raríssimo (por hábito limito-me a ler as colunas semanais de Ana Cristina Leonardo e de António Guerreiro). Mas a edição de hoje dá um enorme destaque a Paulina Chiziane, com entrevista. Por isso acorro ao papel, a ver o que diz a Paulina. E deparo-me com a introdução do jornal, enquadrando-a, nisso dizendo-a falante "do dialecto bantu". Em 2022!!!! E logo no boletim da demagogia "póscolonial"....!!!
 
Diante disto logo clamo, em monólogo altissonante, citando Milhazes!!!
 
E depois atirei o jornal para longe, entre outras imprecações. Lá para domingo ter-me-á passado a irritação e irei ler, curioso do que disse a Paulina. Em dialecto latino, presumo...
 
Adenda: em contributo para a agenda de "reparação da História", tão cara à célula neo-comunista do "Público", deixo a certeira boutade divulgada por Max Weinrich, "A língua é um dialecto com exército e marinha".

Bloguista

Livro Torna-Viagem

O meu livro Torna-Viagem - uma colecção de uma centena de crónicas escritas nas últimas duas décadas - é uma publicação na plataforma editorial bookmundo, sendo vendido por encomenda. Para o comprar basta aceder por via desta ligação: Torna-viagem

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador

Em destaque no SAPO Blogs
pub