Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nenhures

Nenhures

A Lusofonia e o olhar português

pang.jpeg

Nos tempos do blog ma-schamba fiz inúmeros postais sobre a questão “lusofonia“. A qual era - e ainda é - uma irritação minha, até porque então muito esteve na moda. E que ainda anda por aí, se calhar ainda com algum viço, apesar de já vetusta. Enfim, tanto botei que um dia  me fizeram uma entrevista académica sobre o assunto, a qual me chegou sob o  tema de "bloguismo e lusofonia". 

Dei eco disso no postal "Olhar Academicus sobre o bloguismo", de 6.2.2011 (há quase uma década, até dói como se dissipa o tempo). Releio-o e rio-me: pois nele falei não só de bloguismo e de lusofonia, como também de como a análise dos fenómenos tanto fenece sob o "primadonismo" dos intelectuais. Passada uma década só digo, nem de propósito eu poderia ter imaginado melhor articulação argumentativa. Mas adiante ...

Na entrevista falei sobre o bloguismo moçambicano, que no país foi muito inovador quanto às expressões públicas: novos conteúdos, novas formas de escrita e novas e mais abrangentes legitimidades para opinar. Julgo que mais do que nos jornais por fax (que foram uma inovação moçambicana) e internéticos, foi nos blogs que aconteceu, desde 2005, a mais radical democratização da expressão opinativa urbana. Muito pela influência - magistral, no sentido literal - do tão saudoso Machado da Graça, através do seu Ideias Para Debate. No qual publicava textos que lhe eram enviados por mais-novos, tantos dos quais depois vieram a blogar autonomamente e, ainda depois, a estabelecerem-se em jornais e no facebook.

Mas no dia o tema central era a tal lusofonia. E sobre o que dela disse disse resumi-o no postal deste modo: "perguntou-me ainda (o guião, presumo, é minhoto) sobre o que pensava eu da minha actividade bloguista como construtora da lusofonia. Engasguei-me claro. Já aqui muito escrevi sobre a lusofonia e não me apetecia repetir, ainda que em versão digest. Pedi um off the record ao Ouri Pota [o entrevistador, também ele bloguista], no intuito de não vir a desagradar à Universidade do Minho, decerto ilustrada e educada, e disse-lhe da minha opinião: "a lusofonia, como conceito, é boa para limpar o cu". Passados uns dias arrependi-me e escrevi-lhe pedindo um in the record. Que os responsáveis da análise possam, se o Ouri Pota entender transcrever essa parte no seu relatório, levar com a minha opinião."

Passada a tal década julgo que não terá sido feito o tal in-the-record. O  que deixará espaço para ofensas das primadonas quando se mete em letra "académica", em jargão, aquilo que se pensa sobre o que pensam. E estrategizam. A bem do subsídio estatal. Que é disso que se trata, da ânsia de taco oriundo do Estado lusotropical. Perdão, do lusófono. Em peditório, feito em dialecto alterglobal. Ou língua global. Que nisso vão todos iguais.

Entretanto eu botei-a, a essa tal "letra académica", sob jargão. Em texto de formato longo. Quem tiver paciência e interesse encontra-o aqui: “O Olhar Português em África (ensaio sobre a lusofonia)“. 

comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.