Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Nenhures

Nenhures

O "senhor doutor"

cgd.jpg

Um querido amigo, que no princípio de XXI brevemente me sofreu como professor e depois durante anos ombreou como colega, chega a Lisboa. Acorro, cruzo o Tejo, aos abraços saudosos (a gente não se beija, como os lisboetas "classe média" e [alguns] macuas rurais). Levo-o a almoçar a um bom restaurante no actual centro da capital, não muito caro mas daqueles de comida mui honesta (o bacalhau à Lagareiro estava decentíssimo e as iscas soberbas), e de serviço como "deve de ser", guardanapo de pano não puído, empregados sabedores e suavemente uniformizados, simpáticos sem intrusões. E, claro, sala de fumadores, para a "nipa" final. Sou ali, durante o almoço, e como sempre quando neste assim, o "mais-velho".

O empregado descobre-me "senhor doutor", a mim, ainda que cliente raro e não pródigo. E assim irei "senhor doutor" das azeitonas até à tal nipa escocesa, com simpatia. "Costumas vir aqui?", perguntam-me e pergunto-me, mas que "não", de facto há dois anos que ali não vou, e sempre fui com grandes amigos moçambicanos, nem tanto por coincidência, pois sítio, repito, "como deve de ser", assim refúgio para dias de cicerone.

Peço a conta. Faço questão disso, apesar do triste estado bancário, "noblesse oblige" diz o republicano. Trazem-me a máquina, entrego o simples cartão de débito. O qual ostenta o meu nome. O empregado, decentemente gorjetado, agradece e despede-se num "até à próxima". E acrescenta-lhe um "Senhor José ...".

Não há dúvida, um gajo da minha geração tem que deixar-se de coisas., republicanices ... E meter aquilo do "doutorzeco" no cartão bancário.

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.