Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nenhures

Nenhures

06
Jul21

Os atrasos na vacinação

jpt

jimmy.jpg

"Selfie" (6.7.21, alvorada). Já nem velho vou, mas mesmo ancião. E como todos nós, que a este assim chegámos, convoco o "no meu tempo" nele encontrando uma robustez moral bem superior à dissoluta anomia deste mísero hoje em dia.
 
E nisso recordo que nesse "no meu tempo", no dia em que tratei de me candidatar à universidade fui jantar com magote de amigos. E depois arrancámos - com um saco de cervejas e uns bolsos com outros consumíveis - para perto da 5 de Outubro lisboeta. Por lá aportámos cerca da meia-noite, fazendo fila já em lugares bastante recuados para a inscrição... matinal. E lembro o dia gasto, em transportes e longas esperas, na inspecção militar em Setúbal. Ou, já agora, chegar mancebo quase de madrugada aos claustros do Calhau de Mafra para ali entrar, assim tornado instruendo, ao fim da tarde. Ou as horas passadas, jovenzinho, nas inscrições escolares. Ou, já mais crescido, em filas administrativas, para impostos, certificados, e tralhas similares. E, mais do que tudo, as horas passadas esperando consultas, desde a pediatria à geriatria actual, tanto na medicina pública, como na corporativa e privada, folheando aquelas resmas de revistas usadas que tão típicas eram antes deste telefonismo de agora. Nesse "meu tempo" acontecia isso, sabíamos esperar. Um pouco demais, até.
 
Agora o Estado vacina-nos. Uma vacinação universal mas não obrigatória. Em emergência, urgente. A campanha começou mal, pejada dos aldrabismos típicos do nepotismo. Mas arrepiou caminho, convocado que foi o saber de gestão logística militar - ainda assim o Almirante-em-chefe já é criticado pelos plumitivos PS por não papaguear o relambório retórico do Público/DN/activistas-académicos, pois é preciso que não fique ele com muitos créditos dado que, afinal de contas, o lema é "o PS é que fez, o PS é que faz", adaptado do slogan do Frelimo.
 
E que leio eu agora? Acelerado que foi o processo de vacinação - pois no afã dos Reis Magos turistas o país reinfectou-se [oops "o PS é que fez, o PS é que faz"] e o governo desaustinado sequestrou a constituição - em alguns locais vão acontecendo algumas demoras. As pessoas são obrigadas a esperar pela vacina. Uma hora, até duas, por vezes mesmo um pouco mais. "O Horror, o Horror"! E vêm clamar para as redes sociais, umas queixando-se do acontecido. Outras anunciando que nunca aceitarão por isso passar. "Jamais!". Preferem até não se vacinar.
 
Ora quem eu vejo botar isto é gente da minha geração. Essa mesmo do "meu tempo". Gente que esperou ao longo da vida, ainda que cada vez esperando menos. Mas que envelheceram assim. Num pateta individualismo que nada tem a ver com a defesa do livre-arbítrio (eu a sair de casa para fumar um cigarro à meia-noite sem ser detido ilegalmente, por exemplo). Mas apenas um "individualismo" do burguesote imbecil que se acha "indivíduo muito importante". Que tem o "direito adquirido" de ser atendido à hora certa, de não esperar um momento que seja. Gente cheia de si-mesma, patetas repletos do vácuo que são.
 
E não se pode exterminá-los(?).

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Quem somos

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub