Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nenhures

Nenhures

10
Out20

Prémio Nobel

jpt

nobel 2020.jpg

Alguns amigos muito queridos dizem-me que tenho (que tenho, não que estou com ...) mau feitio. Por exemplo, porque não gosto de tascas excessivamente ordinárias. Ou porque reajo a "bocas" excessivamente imbecis. Eles concordam com estas avaliações, mas consideram que devemos ir calmos, conviver com isso. Enfim,

esta é a semana dos prémios Nobel. Todos os anos esta é a semana dos grunhos, letrados e iletrados, opinarem. Como se o Nobel fosse o verdadeiro Campeonato do Mundo (e assim todos devessemos votar, como nas eleições americanas ...), e tudo começa logo por essa patetice.
 
Sempre que chegada esta época nobelística imensos vêm (mal) opinar nas redes sociais sobre os premiados na Literatura e na Paz. Este ano é vê-los, até amigos, mandar "bocas" aos que dizem conhecer a premiada - não li ninguém a fazê-lo, poetisa não traduzida e nem mesmo os amigos/conhecidos escritores/jornalistas aparentam conhecê-la. Mesmo assim? Tem que haver gente a protestar com os inexistentes que dizem conhecê-la. O que está no fundo desta constante atitude? A raiva morcã contra os comuns que vão lendo algo, e que vão conhecendo, melhor ou pior, alguns escritores. E que disso falam. Há poses literatas? Há, claro. Não é tudo isto uma pose? Mas se um tipo fala de leituras que teve ou tem logo vêm os patetas gritar "falso" ...
 
Dias depois saiu o prémio da Paz. Neste ano logo surgiram dois tipos de morcões: o prémio foi para o Programa Alimentar Mundial? Devia era acabar-se com a fome, gritam alguns estupores. E, em particular aqui em Portugal, saem os morcões a gozarem com "a Greta" porque não foi premiada, uma javardeira imunda - ilustres professores universitários, comentadores "anunciados na tv", quadros da função pública, tardo-cinquentenários e sexagenários, a fazerem trocadilhos com "greta"? - malditas disfunções fálicas ... Que não haja qualquer dúvida, os imbecis encartados ao centro e à direita pululam, em frenesim, tanto como lá nos identitaristas "gauchistes".
 
Mas sobre os outros prémios Nobel nada se fala, que ninguém percebe nem quer parecer que percebe. E esses prémos não lhes servem, aos deste comboio descendente, para "rirem à gargalhada" dos dislates que trocam. Convictos que pensam política ...
 
O prémio de Medicina 2020 foi para este trio de investigadores, Harvey J. Alter, Michael Houghton e Charles M. Rice. Por um trabalho fundamental relativo à Hepatite C. Muito o saúdo, mesmo que totalmente ignorante nesta matéria. Também porque essa é doença que a minha geração conhece, e muito pela sua proclamada associação a algumas opções existenciais. Fez-me perder alguns belíssimos amigos. E vários conhecidos. Que me fazem falta.
 
Então é noite de sexta-feira. Bebo um copo de tinto (de Lisboa, decente, baratíssima promoção do Pingo Doce) à saúde destes premiados. Agradecido. E outro à memória dos meus amigos.
 
E isto também porque eu, de facto, tenho um bom feitio. Amigo dos meus amigos (e deles tão saudoso), sem paciência para os imbecis. Há melhor?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Quem somos

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub