Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nenhures

Nenhures

28
Jun21

Portugal-Bélgica (crónica)

jpt

037-07 TINTIN timb F CAPITAINE HADDOCK.jpg

Na véspera dos oitavos-de-final deste Euro 2020/1 fui infiltrado, o que me criou más expectativas para o encontro pois temi alterações nas condições físicas apropriadas. Mais ainda, no próprio dia recebi a novidade, esperada é certo, de que nas relativas cercanias do estádio de Wembley a minha filha, também ela, assinara pelo clube Pfizer. Algo que me causou uma enorme desconcentração, prejudicial ao embate face aos belgas.

Pois assim me mergulhei em memórias inúteis: de quando na época passada a aguardei, ela com traumatismo asmático, agravado no pesado calendário inglês, para logo nos confinarmos num Nenhures campestre, eu em pânico, inseguro sobre os efeitos que uma hipotética fractura covidesca poderia ter na carreira dela. E isso quando o Presidente da Federação, Sousa, e o director das Relações com as Filiais, Silva, nos garantiam da impossibilidade de fechar fronteiras, sendo que Sousa prosseguia entre festejos em estádios teatrais no reduto de Pinto da Costa. E Freitas, a responsável pelo departamento médico, nos pedia para visitarmos os núcleos de veteranos - onde a minha mãe, antiga campeã de paciência, viria a definhar e morrer enclausurada - e nos alertava para não usarmos máscaras nos treinos nem aceitarmos que nos fizessem testes anti-doping. Já para não falar de Antunes, responsável dos relvados de Alvalade e Alcochete, que se debruçava sobre possíveis transferências de jogadores para o campeonato chinês. Lembrei ainda os meus frémitos quando a minha filha, já nesta época regressada à Premier League, contraiu uma lesão no tendão covidiano, ainda por cima sem que eu tivesse total confiança nos fisioterapeutas do seu clube. Enfim, tamanho foi o meu alívio, até eufórico, com a sua transferência para o Pfizer, que no domingo me alheei dos cuidados tácticos face ao nº 1 do ranking mundial e à ponderação dos titulares necessários para cumprir as matizes estratégicas que se poderiam impor durante o tempo regulamentar e, mesmo, no sempre temível prolongamento.

Tão abstraído estava que nem verdadeiramente notei que a equipa nacional, após entoar o hino, se ajoelhou como se fosse uma qualquer equipa de futebol americano, nisso decerto que arrebitando os ademanes dos holigões socratistas do Sport Campo Grande, do Atlético de Campolide e do Académico de Coimbra, já para não falar do entusiasmo que decerto sentiram os literais "Black Panthers", recém-contratados pelo Desportivo da República, ao verem o enérgico Sanches de "Poder Negro" em riste.

Assim sendo só após soar o apito inicial pude constatar algumas evoluções na filosofia do Engenheiro Santos: poventura para mitigar o número de punhos racistas erguidos no início do jogo cuidou de enviar William Carvalho, sua excentricidade, para a bancada, e Danilo, seu óbvio talismã, para o banco de suplentes. Um pouco mais à frente tudo na mesma como a lesma - como diz o povo, na sua infinita sageza - com os alas da direita e da esquerda (se é que este o era) impassíveis, pobres avatares dos excelentes Bernardo Silva e Diogo Jota que ali estavam encarregados de representar. 

As equipas entraram em cuidadosa fase de estudo, a qual teve direito a 2ª chamada e se prolongou até à 2ª época, o que comprovou o acerto da escolha do Prof. (Jubilado) João Moutinho como titular. Nesse entretanto, e apesar de algumas irreverências do aluno Sanches, decerto que devidas a ser oriundo do ensino técnico-profissional, posso afiançar que foi o período em que mais estive em jogo. Pois decorreu um futebol mastigado, condizente com a nossa claque aqui presente, entregue ao manuseio de uns belos ovos com farinheira (cuja origem não averiguei), uns rojões com molho amostardado do mais fino recorte técnico, uns decentes camarões austrais cozidos debruados com a maionese caseira, tudo circundado com tremoços temperados bem frescos e o pequeno luxo de tijelas de castanha de caju, estas ali em homenagem aos sempre indefectíveis apoiantes africanos da selecção nacional, como bem o comprovou o hino da selecção, o "Vamos Com Tudo" de autoria e trinados do artista David Carreira. Mas nestas manobras reconheci o meu estado de abatimento, o qual nada de bom augurava para o desiderato final, pois acompanhei-as com apenas uma cerveja, a condignamente titular "Super Bock".

Enfim, cerca do final da primeira parte aconteceu o rude golpe belga, selecção que - reconheço-o - muita simpatia me convoca e não só devido a Moulinsart. Ao intervalo o nosso estado era de algum torpor, em murmurados lamentos face à opção de retirar o play-maker Ferro Rodrigues da equipa, substituindo-o por um apático e inexperiente Brandão Rodrigues. Pois não basta ser (quase) homónimo para se poder levar a equipa ao triunfo. Confesso que a segunda parte por cá encontrou uma moldura humana já mais rarefeita e ainda menos confiante. Foi reconhecida, com justiça, a (tardia) afoiteza do Engenheiro, o qual com sucessivas substituições tratou de "meter a carne toda no assador", tentando inverter o agora regressado triste fado luso. Ficará para sempre a dúvida sobre porque não o fez antes, pois foi óbvio - como o demonstrou a inútil arrochada do Tio Pepe, que lhe provocou a reprimenda arbitral - que a carne assada em tão pouco tempo se torna demasiado nervosa, dando-se pouco macia às gengivas adeptas. Ainda assim o Engenheiro não mereceu a traição cometida por Raphael Guerreiro, que decidiu atirar ao poste quando as instruções recebidas eram para repetir exactamente a manobra de Budapeste.

Terminado o confronto de Sevilha, constatado o atentado blasfemo à religião oficial de Estado, retirámo-nos acabrunhados sem mesmo escutar os sacristões congregados nos painéis televisivos. Já no leito algo me reanimei ao ler as doutas declarações do presidente da Federação, Sousa, afiançando-nos que tínhamos sido os melhores e que, mais importante, somos como os melhores. Nisso convocando o nosso fervor para 2022, ano no qual, prometeu o Engenheiro, seremos campeões do mundo. Adormeci, mais pacificado. E sonhei com múltiplas medalhas em Tóquio. E com Eduardo Ferro Rodrigues.

28
Jun21

Vacinação contra o Covid: boletim clínico (2)

jpt

golo.jpg

2ª dose de vacinação Covid-19. Boletim Clínico (2):
 
48 horas decorreram sobre a minha última inoculação (com um soro Pfizer). Continuam os meus padecimentos no braço esquerdo, se este pressionado. A dimensão da sensação dolorosa é directamente proporcional à intensidade da pressão exercida. Mas muito se reduziu o intumescimento em torno da zona da inoculação, o qual ontem identificara. O que demonstra que o soro injectado, e que ali obviamente se retivera promovendo o tal gânglio, se disseminou no corpo, incrementando os seus efeitos.
 
Sinto algum descontrolo motor, tanto que logo na alvorada parti um copo. Falta de apetite notória, tanta que ainda não matabichei, coroando noite algo insone. Alterações psicológicas começam a ser notórias: uma grande irritabilidade, expressa na abrasiva reacção ao ter vertido um pouco de café em pó aquando da sua preparação matinal. Estado acedioso galopante, com uma incapacidade em planificar actividades e hierarquizar as prioridades para a jornada, coroando acentuada descrença na sua efectiva utilidade. Estou, e já desde há cerca de 12 horas, sob uma crescente vaga de angústia culpabilizada. Fui acometido por pensamentos suicidários durante o duche. A tudo junto um silvo nos ouvidos, que julgo ser atribuível às interferências na antena inoculada. Finalmente, pesadelos com Tóquio.

 

25
Jun21

Portugal-França (crónica)

jpt

gettyimages-1325102337.jpg

Aqui só ontem começou o estio. Ao ar livre almoçou-se um delicioso - e bem picante - chacuti de frango (de galinha, no português de outros lugares), só como quem não quer a coisa, apenas "para de vez em quando se mudarem os sabores da comida", assim se legitimou o (excelso) cozinheiro. Fui frugal, para evitar delongas na sesta. Ao fim da tarde transportei um dos comensais à Portela de Sacavém, fazendo-o em modo despreocupado pois afiançara-me ele que antes de embarcar poderia ver o jogo na sala de espera - um desses espaços que por alguma razão levam agora o críptico nome de "lounge".

joni.jpg

E logo regressei à sede do ambicionado sofá-camarote, para isso meneando-me entre algum trânsito pois o povo trabalhador segue livre para se deslocar nesta área, dado que o Estado apenas para o lazer lhe veda a mobilidade. Quando sozinho ao volante ouço rádio e tive ontem a sorte de partir do aeroporto - esse que agora evoca um nazi beatificado pelas suas aspirações a Generalíssimo luso - no exacto início do programa "Floresta Encantada", uma hora dedicada ao já cinquentenário "Blue" de Joni Mitchell, minha eterna paixão desde aquele juvenil "Coyote".  E nisso se me amornou o pé, lânguido auto-estrada afora, retardando-me até, apenas cioso de me apresentar ao entoar do hino pátrio, pois sigo sempre disponível para trautear a invocação dos nossos egrégios avós, que tanto calcorrearam sobre a terra, sobre o mar... Fazendo-o sem serôdias "decolonizações" nem exógenas mãos nos peitos.

E assim aconteceu, aportando ao estádio doméstico ainda a tempo de me dessedentar entre um sortido de "minis" - jamais "Sagres", devido a ter essa marca desrespeitado o nosso Rui Patrício - e nacos de um aprazível queijo eborense. Adiado para depois do jogo ficou o repasto, a especiosa perna de porco caseiro temperada com a suprema sageza do keep it simple, a qual viria, horas depois, a restabelecer saberes e sabores desta nossa moldura humana. Mas ainda antes de soar o hino desapontei-me com as modificações na "equipa de todos nós". Pois duvidei ter o veterano João Moutinho - de quem sou grande apreciador, ao invés de muitos sportinguistas mais atreitos ao ressentimento - a energia suficiente para enfrentar o monumental meio-campo gaulês. Pior por ali ombrear com o rebelde Sanches, um insurrecto capaz do oito e do oitenta na mesma investida. E também, acima de tudo, porque sigo crente na urgência da promoção de Palhinha e Rúben Neves. Não estava ali sozinho na desilusão e mesmo temor descrente, indisposição apenas matizada por sábio presente que augurou "se formos eliminados cai o Costa..." tamanha é a pantomina em curso, dando-me a benesse de um "pelo menos isso, não se perde tudo!". Mas, e ainda de prisca nos lábios, antes do apito inicial confidenciei à ágora local  "mas se passarmos o Engenheiro é o maior!", assim dando primazia ao oficial (general) do ofício.

Do rolar do esférico todos sabem - tal é a inundação futeboleira que devasta a imprensa nacional. Ocorre-me salientar uma França inicial não tão macia assim, talvez nervosa ou mesmo abespinhada, como o demonstraram os vários cartões amarelos distribuídos pelo algo palrador árbitro. E nisso a contrastar com o já notório cavalheirismo luso, uma equipa a notabilizar-se pela extrema correcção nos relvados. A nossa alegria foi amesquinhada junto ao intervalo, naquela grande penalidade provocada pelo infeliz Semedo, a qual nos levantou um coro de injúrias ainda que convictos de que se ocorresse falta semelhante na área transpirenaica logo gritaríamos em uníssono um triunfante "Penálti!!!". Corolário do sucesso goleador do retornado Benzema foi um acentuado decréscimo na degustação nesse intervalo, no meu caso apenas preenchido com o recurso ao sempiterno amigo Amber Leaf. A segunda parte trouxe, finalmente, João Palhinha. Mas logo o golo adversário, a incrementar a angústia já promovida pelos mágicos magiares, cujo surpreendente desempenho então me impelia a estrear-me: nas vésperas dos meus 57 anos torci, o mais arreigadamente que consegui (ainda assim bem pouco, entenda-se) pela Mannschaft. Nesses frémitos, e insensível à referida vetusta idade, reforcei o recurso ao tal Amber Leaf.

Mas tudo está bem quando acaba bem! O extraordinário Cristiano Ronaldo continuou na sua lendária senda de recordes: dois golos contra o actual campeão do mundo tornaram-no o melhor marcador de sempre em fases finais de Mundiais e Europeus e, decerto que por breve ex aequo, melhor marcador de sempre em selecções nacionais. Mas a grande figura nacional do dia foi um outro dos três mosqueteiros que encimam o postal (os quais, como todos os leitores de Dumas sabem, são quatro - e na fotografia aposta falta Moutinho): a Grande Muralha de Marrazes. Pois se é certo que a França foi mais suave na segunda parte, gerindo-se e à sua promoção com "um olho no CR7 e um ouvido em Berlim", ainda nos causou calafrios. E assim os dois momentos do jogo foram do magno Rui Patrício: primeiro ao não seguir os conselhos de Pepe. Este, após anos a treinar e jogar com Benzema, conhece-lhe os trejeitos de ginjeira e mostrou para onde iria ele apontar o remate no penalti que lhe coube. Mas, e para seu desespero, São Patrício teve uma fezada e estirou-se para o lado oposto. E o que seria o futebol sem fezadas? E depois, claro, na estrondosa dupla defesa ao soberbo remate de Pogba e à imediata recarga de Griezmann! 

(Pepe avisa Rui Patrício de como Benzema marcará a grande penalidade)

(Portugal-França 2021, defesa de Rui Patrício a remates de Pogba e recarga de Griezmann)

E nisso guarda-redes, e equipa, seguraram um empate precioso, com muita gestão de jogo de ambas as partes concordantes nos últimos minutos. Foi assim com muito mais alívio do que alegria que logo de seguida enfrentámos a acima aludida perna de porco caseira. Acompanhada por uma - apenas uma, dado o abatimento geral - garrafa de vinho verde. Refeição durante a qual perorei sobre este jogo e a campanha prévia, e "como é óbvio contestei com vigor e sageza veterana o pendor conservador do nosso engenheiro seleccionador, antevendo uma deslustrada campanha sob tal "motorista". E elogiei a extrema capacidade do nosso engenheiro seleccionador - sempre avesso à fugaz embriaguês do espectáculo - montando uma equipa tacticamente irrepreensível, delineada para enfrentar os gigantes que se sucederão, e clarividente nas letais e oportunas alterações que decidiu, mostrando que iremos longe sob tal "motorista"."

A seguir será a Bélgica, a minha segunda selecção europeia, tamanha a simpatia que tenho pelo país, no qual cresceu a minha filha. Bem que gostaria que o encontro fosse na final - até porque se trata de uma grande equipa. Estava eu dissertando sobre as virtudes técnico-tácticas da selecção belga, entrecruzando com doutas considerações sobre o algum encanto de Marolles, a empáfia do Matonge ixellois e as luxuriantes verdes colinas das Ardenas, quando surgiu na tv Sua Excelência o Presidente da Assembleia da República, dr. Eduardo Ferro Rodrigues, a convocar-nos para seguirmos "de modo massivo (sic) para Sevilha", isto enquanto tudo se enrodilha nesta mais-uma vaga de Covid-19. Não há dúvida, não há Cristiano, Pepe, Patrício ou Palhinha que nos valham. O placebo futebol é insuficiente. Pois estes gajos dão-me cabo do juízo. Porque não têm juízo algum. Uma selecção de medíocres mariolas. Campeões disso, mesmo.

24
Jun21

Eduardo Ferro Rodrigues

jpt

medmrs.jpg

 
Percebo que - com excepção de alguns queridos familiares -, tanto no meu blog como neste mural inexistem visitantes situacionistas. Trata-se assim aqui de uma interacção, loquaz ou silenciosa, entre nós, os das diferentes vias do reviralho. Como tal resmungar aqui sobre Portugal é uma espécie de ladainha entre convertidos, mera catarse. Uma inutilidade comunicacional. Ineficaz. Ainda assim...
 
Há quem conteste o perigo real desta nova vaga de infecções com o Covid-19, pois vamos vacinando-nos e os grupos de risco estão já salvaguardados. Talvez já sob essa visão, e ainda que face a novas variantes e às crescentes infecções, o governo tem, como sempre o tem tido nesta pandemia, uma via errática: as permissões dadas a encontros públicos, o acolhimento da final da Liga dos Campeões (ainda que este ano o não tenha dito "prenda" aos profissionais de saúde), o afã em recuperar o turismo. Logo acompanhando essa via com críticas à superficialidade analítica do governo britânico quando este sancionou as visitas ao país. E até ameaçando-o com retaliações, em patéticas declarações do nosso MNE, o auto-definido como "parolo" Santos Silva. Para logo depois, e já enquanto Merkel nos critica o afã turístico, mudar de rumo, em plena cabotagem incompetente, semi-cerrando a Grande Lisboa e propalando que pior poderá vir.
 
Tudo bem, pois os rumos da pandemia são inescrutáveis, dirão os tais situacionistas, desde os louvaminheiros da "Super-Marta" até aos meros fatalistas. Mas, caramba!, mesmo estes terão que conceder que após 17 meses de pandemia não é aceitável que o nº 2 do Estado, Ferro Rodrigues, nos venha agora convocar para irmos em massa para Sevilha ver futebol. É de uma incompetência, inconsciência, irracionalidade total. Uma total contradição com o rumo da actual política sanitária, mesmo que este ziguezagueante. Um obus em cima da já de si atrapalhada estratégia comunicacional do governo.
 
É o corolário desta estuporização que estes políticos desejam com o futebolismo que promovem. Mas Ferro Rodrigues é um caso extremo, até indigno, de mediocridade. Se tivessem um pingo de vergonha os situacionistas exigiriam a substituição deste homem. Mas não o têm, ao tal pingo de vergonha. O que bem explica o seu apoio a este "estado da arte".

 

24
Jun21

O fedor

jpt

ferro rodrigues.jpg

"Então nós íamos mascarados para os oitavos-de-final?!", terá ainda dito Ferro Rodrigues, o inadjectivável presidente da AR  - pois se eu usar um adjectivo que lhe seja adequado ainda me cairá em cima um processo no tribunal, "difamação" ou "injúria" gemerá este tão medíocre político.
 
Já agora, o jogo é no domingo. Nós, os da zona metropolitana de Lisboa, poderemos ir a Sevilha? Esta enésima vaga de Covid terminará até ao fim-de-semana? A decrepitude desta tralha de gente já fede. E há quem a apoie.

Quem somos

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub