Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nenhures

Nenhures

Dia de Reis, 2021, fim de década

capitoliio.jpg

Dia de Reis, 2021: Washington, parlamento.

Estes anos 10 de XXI foram, de facto, a "década chinesa" - e isso notou-se bem quando em final de 2020 se assinou o tratado de comércio livre dos 15 da Ásia-Pacífico, enquanto a semi-intelligentsia cristo-"ocidental" discutia com minúcia erotizada o iminente Brexit e as eleições americanas. Julgo que daqui a largos anos sobre esta era os vindouros afirmar-lhe-ão ainda outros dois traços centrais: a continuidade do até surpreendente solavanco indiano (pois o choque dos gigantes asiáticos será estruturante desse futuro); e - num nível que lhes será bem mais fundamental do que tanto tonto ainda grasna - a incapacidade dos países ricos em enfrentarem a reconversão industrial ecologicamente imposta.

Mas neste nosso reduto, o tal "Ocidente" - esgarçando-se como o centro do mundo, que o foi nos últimos 250 anos -, a "década" teve outros traços fundamentais muito, demasiado, marcados pelos abalos internos nos EUA, provocados pela decadência da pax americana, promovida por forças bem mais relevantes do que a óbvia incompetência externa das suas últimas presidências. Por um lado, o crisma das eunucas "agendas identitárias" - total reprise do que a lenda narra como ambiente ideológico aquando da queda de Constantinopla diante do imperialismo islâmico, aquilo da querela sobre o "sexo dos anjos" - submergiu o velho pensamento progressista, metastizado após a queda do comunismo.

E por outro lado, o recrudescer das "agendas soberanistas" - mero invés das outras, pois de facto também elas apenas "identitárias" -, de cariz ferozmente reacccionário, mesclando laivos de liberalismo económico, demagogicamente apropriados, com um conservadorismo radical. Foi esta a "década" encetada pelo movimento Tea Party, de facto um proto-fascismo teocrático. E mais perto de nós, entre outros epifenómenos na Mitteleuropa, os manobrismos de Farage, acoitados pelo paupérrimo Cameron. E tudo isto exponenciado nesta ascensão de Charles Foster Kane à presidência do país mais poderoso do mundo. 

Muito se diz que a democracia ("sempre frágil, sempre vulnerável, corruptível e muitas vezes corrupta", disse-a Bobbio, quando dela fez a apologia) é frágil. Sim, é-o, tem esse enorme vigor. O da fragilidade. No Dia de Reis de 2021 a "década" acabou - esta, que tanto demonstrou essa fragilidade. Findou de modo algo sanguinolento. Mas como farsa. Resta-nos, acima de tudo, olhar os farsantes e seus adeptos, seja lá qual for a sua "identidade", como o que são: farsantes. Alguns malévolos. A maioria apenas imbecis. E combatê-los. Com denodo, aos primeiros. E com infinita ferocidade aos outros, pois muito mais perigosos. E numerosos. Vera pandemia que são.

Paulo Rangel no Parlamento Europeu sobre Moçambique

Tem estado bem Paulo Rangel, e o PSD, no acompanhamento desde há meses no Parlamento Europeu da situação em Moçambique relativa à guerra no Cabo Delgado. E fez aqui uma boa intervenção, adequada àquela instituição, fundamentada e ponderada.

Deixo também aqui a Resolução do Parlamento Europeu, de 17 de setembro de 2020, sobre a Situação Humanitária em Moçambique (2020/2784(RSP) [basta aceder: Resolução PE Moçambique.pdf], que sistematiza a preocupação com a situação militar e humanitária e explicita a inadmissibilidade das gravíssimas violações de direitos humanos consagrados nas convenções internacionais (convém sublinhar isto, pois vou lendo gente em Moçambique defendendo que em guerra, em particular com estes "insurgentes", vale tudo ...).

Realço a pertinência do ponto Z. desta Resolução: "Considerando que, apesar da brutalidade e da perda terrível de vidas, a situação em Cabo Delgado não conseguiu atrair a atenção internacional, o que significa que se perdeu tempo precioso para resolver o problema mais cedo".

Mas não deixo de notar e muito lamentar o clamoroso erro, do ponto Z. 22. "Recorda que a população de Moçambique, tanto da fé cristã como muçulmana, vive há muito em coexistência pacífica e manifesta convicção de que este modelo de tolerância e de solidariedade prevalecerá ...". Um reducionismo inadmissível, pois é mais do que exigível que políticos e seus assessores percebam um pouco mais sobre as realidade sobre as quais elaboram. Mera questão de cultura. 

(Lateralmente: ao ver esta intervenção interrogo-me sobre a imagem que o Parlamento Europeu transmite para o seu eleitorado. Ou seja, sobre a total cegueira e surdez face aos efeitos das dimensões representacionais dos órgãos políticos. Pois, e se é certo que o funcionamento do Parlamento Europeu não presume que a sala esteja cheia, dado que há múltiplas tarefas dos deputados, assistir a uma comunicação relevante - e esta é-o particularmente - feita numa sala vazia constrói a imagem de um parlamento relapso. 

E se é para falar nas dinâmicas de representação, da imagem que os políticos dão às populações do seu comportamento e o das suas instituições, alguém poderia dizer ao deputado luxemburguês Charles Goerens que é simbolicamente letal, sendo ele o único atrás de um colega de bancada que aborda uma situação dramática, estar, sossegadamente, esparramado na cadeira, só lhe faltando coçar a micose. Um verdadeiro "morcon", como se dirá em francês ...).

Crónica dos dias do COVID (22): conselheiro de Estado

louça.png

1. Num dia indignamo-nos com as declarações de um ministro holandês sobre as finanças do Estado espanhol, em plena crise desta temível pandemia.

2. No dia seguinte, o Professor Francisco Louçã, conselheiro de Estado e vulto-mor da esquerda "urbana" diz-nos, sobre a referida temível pandemia, que "A Alemanha gosta desta situação", pois "beneficia com estas crises". A tal "esquerda urbana" que o subscreve, e tantos deles seus colegas, anuiu pelo silêncio e - imagino, pois sigo confinado - num "o Louçã tem razão, sim senhor ...".

3. No dia seguinte suicida-se Thomas Schafer, ministro das finanças de Hesse, um dos estados da Alemanha Federal, e seu provável futuro ministro-presidente. Pois, e para além de outros hipotéticos problemas pessoais, se encontrava avassalado com os efeitos económico-financeiros desta ... temível pandemia.

Conselheiro de quê? ..

O "caso Mila" e a blasfémia em França

(Nicolle Belloubet, ministra francesa da Justiça, "L’insulte à la religion est une atteinte à la liberté de conscience", 29.1.2020)

No mural-FB de uma boa amiga francesa conheço o "caso Mila", a francesa (16 anos) que está ameaçada de morte por ter invectivado o Islão nas redes sociais. Googlo para saber da coisa. E vejo isto: a ministra da Justiça de França a por em causa o direito à blasfémia! O recuo civilizacional já chegou até aqui. Em França! Insultar a religião é um atentado à liberdade de consciência, diz esta mulher (que ainda para mais é jurista).

O direito ao desprezo pela religião, à blasfémia, é estruturante. É a base deste nosso isto! Custou séculos, guerras. Temos a liberdade de cultuar. Só porque temos a liberdade de desprezar toda a imbecilidade metafísica alheia, as patetices e crendices. Podemos ter o "bom senso", o charme discreto da burguesia, de conviver com a superstição alheia sem a invectivar. Mas não é uma obrigação, é mera educação. Ou, meu caso, falta de paciência para discutir com os patetas. Essa é a base de tudo o que há por aqui, nesta "pérfida (e colonialista) Europa".

E de súbito (ou quase) até em França se recua diante da barbárie culturalista. A propósito do Islão. Não por causa do Islão. Até em França. Isto vai mal.

Pós-Brexit

guardian.jpg

Uma belíssima capa do Guardian, algo escatológica, típico lamento dos "remainers". Inclino-me para que daqui a poucos anos nem nos lembremos deste episódio. Ou seja, que a saída da G.-B. da UE não cause o fim do mundo tal como o conhecemos.

fronteiras.jpeg

Mas faz-me lembrar um pequeno episódio. No ano passado, nas estantes da casa de Bruxelas onde vivi, reencontrei este livro, institucional, "As Novas Fronteiras da Europa – o Alargamento da União: Desafios e Consequências”. Trata-se das actas de uma conferência organizada pela Gulbenkian, em Outubro de 2004. Dedicada à problemática do alargamento da União Europeia. Várias personalidades reconhecidas foram falar (Daniel Hamilton, Roxane Silberman, Michael Zuckert, Thérèse Delpech, Yegor Gaidar, Antoine Compagnon, Josef Jarab, Michael Emerson, Willem H. Buiter ou Jean-Claude Trichet). E também o presidente da república, Jorge Sampaio (discurso de Jorge Sampaio).

Li o livro na diagonal, mas com a suficiente atenção para ver que quase todos referiam os "problemas" e as "dificuldades" que o recente alargamento da UE impunha. Mas também se anunciava a necessidade de integrar a Turquia na UE. Uma necessidade apresentada como inevitabilidade, qual corolário quase tautológico da integração europeia. E também como evidência ética. Não houve naquela colecção de conferências um texto verdadeiramente crítico do conteúdo e das modalidades da União Europeia, nem das suas instituições. E muito menos uma voz dissonante relativamente à integração turca. Ou seja, na pluralidade de tons e sons normal numa série de potentados retóricos, assistiu-se ali a um pensamento único. E plácido, naquele estilo do reconhecer "problemas" de facto menores mas sem presumir "problemas" de facto maiores. Aqueles que atrapalham o tal pensamento único. Plácido. Assim inútil face à polvorosa que é sempre o mundo. E na história, europeia e não só, repetem-se as ultrapassagens sofridas por quem pensa politicamente assim.

Ok, a conferência foi em 2004. Não se pode exigir aos grandes académicos, aos políticos retirados ou aos políticos no activo (e aos assessores que escrevem os discursos) que sejam áugures. Que imaginem o imediato futuro ou o longínquo. Mas podemos exigir que não tenham um pensamento plácido. Muito feito de "deveres-seres". E muito feito na monotonia do exercício do poder, alimentado da bononia que isso traz.

Convirá lembrar o quanto todos os que se opuseram (opusemos) à entrada da Turquia foram "fascistados", "racistados". Entretanto a Erdoguização turca fez fenecer o projecto. E o mundo, europeu e alhures, tudo mudou. Agora veio o Brexitismo. Também ele "fascistado" (e um pouco "racistado").

Ficaria, num mundo melhor, para este pós-Brexit um desafio: o da exigência aos políticos e aos grandes académicos que saíssem do pensamento plácido, o dos "deveres-seres". Que saíssem do conforto das grandes conferências a repetirem-se, entoando coros. Missas laicas. Que tentassem antever o mundo, não à medida dos seus pontos de tomada de vista (dos seus horizontes), mas o mais panopticamente que pudessem. Ou seja, exercendo a verdadeira utopia intelectual e política, a inteligência abrangente.

Mas isso seria num mundo melhor. Neste mundo? Seria interessante ir perguntar aos turcófilos de então como avaliam o seu desempenho intelectual dessa altura. E sublinhar-lhes a extrema incompetência. Ou seja, apeá-los do estatuto de curandeiros que, injustificadamente, reclamam. O resto, a História. Essa segue, indomável aos fracos esforços destes sossegados intelectuais-políticos.

Ratzinger sobre a Europa

rat.jpg

(Postal para a rubrica "Pensamento da Semana" no Delito de Opinião)

"O nacionalismo não só levou, de facto, historicamente a Europa à beira da ruína, como contradiz ainda o que a Europa é pela natureza espiritual e política, embora ele haja dominado as últimas décadas da história europeia. Daí que sejam necessárias instituições políticas, económicas e jurídicas supranacionais, que certamente não pretendem construir uma super-nação mas que, ao contrário, devem devolver, fortalecidas, às diferentes regiões europeias o seu rosto e peso próprios. Instituições regionais, nacionais e supranacionais devem imbrincar-se de tal modo que tanto o centralismo como o particularismo sejam excluídos."

(Joseph Ratzinger, Os Fundamentos Espirituais  da Europa. Leça da Palmeira: Letras e Coisas, 2011, p. 32. Citação do texto da conferência "Uma herança responsabilizante para os cristãos", 1979.) 

Bettel e Boris

safe_image (1) (1).jpg

(Postal para o Delito de Opinião)

Luxemburgo tem a fama (e terá o proveito) de ser um paraíso fiscal. Há dias o seu primeiro-ministro teve uma atitude inadmissível para o PM britânico, Boris Johnson. Estúpida, pois só reforça as posições brexitianas na GB, contrariamente ao pretendido por Bettel (é o nome do menino). Anti-democrática, apesar da retórica, pois totalmente avessa àquilo do voto, o britânico. Com um enorme desplante organizou uma conferência de imprensa a 10 metros de manifestantes anti-Boris/Brexit. E como aquele recusou participar na conferência de imprensa naquelas condições, falou sozinho e gozou com o PM britânico. De modo estúpido e arrogante. Imbecil.

Acredito que muita gente concordará com ele. Principalmente à esquerda, subitamente toda europeísta. Portanto organizem-se lá: quando o morcão cá vier vão lá a S. Bento, ou ao CCB. E peçam ao Costa para abancarem a 10 metros dele. E gritem-lhe os impropérios devidos a um tipo que governa um recanto corrupto de evasão fiscal. Ou é a este tipo de escroques que apreciam? Ainda para mais porque mui romântico, com o seu primeiro-damo, meneio que o imunizará às críticas mais que merecidas?

Quem somos

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub