Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nenhures

David-Crosby-011923-2-7f6c7b4751024ab69762c6840bb8

O velho hippie morreu agora. E nunca cortou o cabelo, justiça lhe seja feita... Aqui o(s) deixo, em especial para os que julgam que o rock de estádio começou no Live Aid... (A minha irmã e o meu cunhado tinham o LP Crosby, Stills & Nash e também o Déjà Vu, daqueles Crosby, Stills, Nash & Young - este último bem antes do Rust Never Sleeps e de ser avoengo do agora também já velho grunge. E assim cresci com eles).

CROSBY & STILLS & NASH & YOUNG - Almost Cut My Hair ( Live In Wembley Stadium , London, 1974)

E qui uma das minhas muito preferidas do trio "original" (o célebre CS&N), em excelente versão... septuagenária: vale a pena ouvir, qual posfácio da selecção de 20 canções de David Crosby feita pela Rolling Stone...

gerardo santos.jpg

(Fotografia de Gerardo Santos, Global Imagens)

Ainda não li com verdadeira atenção e portanto não sei bem o que querem os professores, quais as suas reclamações e exigências - não falo da aristocracia universitária, sempre lânguida e gemebunda com as "9 horas semanais" e as "reuniões" (nunca de efectiva responsabilidade, diga-se) que tanto a fadiga. Mas sim do operariado letrado, os "setôres", os do sol-a-sol nas suas longínquas courelas.
 
Apenas sei das minhas experiências, insignificantes serão mas talvez ilustrem alguma coisa. E também sei que nos últimos 28 anos houve um PS sozinho no poder durante 22. Ou seja, é ele o fautor do "estado da arte", não o gonçalvismo ou quejanda formulação. Convém sublinhar isto - e notei-o há dias pois, comiscando entre gente que me é muito querida, fervorosos eleitores socialistas, dissertavam eles sobre a "manipulação da extrema-direita", os "erros ortográficos" dos manifestantes, o carácter relapso dos docentes grevistas, as ânsias exageradas dos trabalhadores. Estupefacto com tamanho reacccionarismo anti-grevista - pois sabendo-lhes os antecedentes de "esquerda" - propus que nos associássemos e entrássemos no CDS, a ver se renovamos aquele vestusto agrupamento, bastante adequado a este tipo de discursos. Olharam-me desagradados, terei azedado o tão querido convívio. Aludo ao episódio porque o "PS", a "esquerda", é isto - a culpa da actual situação é do Vasco Gonçalves, os oponentes são fascistas, e o que se diz do Sócrates é uma cabala da imprensa neoliberal...
 
Mas enfim, vim deixar as minhas memórias, que é o que resta aos velhos. Há 40 anos fui fazer uma licenciatura com poucos candidatos. A licenciosidade institucional de então era tamanha que os professores evitavam dobrar as aulas e congregavam os parcos alunos no horário pós-laboral - passados uns anos um tipo olha para trás e invectiva a "lata" dos instalados, ainda por cima carregados de "ética revolucionária" ou lá como se chamava ao marxismo de então. Depois cresce um bocado e percebe que aquilo era já o comodismo, de facto corrupto, do funcionalismo que, décadas passadas, veio a descambar nisto d'agora Claro que ter "aulas à noite" foi um passo decisivo para ter eu adornado, lia tudo e mais alguma coisa que os noctívagos docentes afixavam mas não aparecia por lá, embrenhado noutras actividades menos académicas - Entrecampos tinha menos encanto do que o Bairro Alto e o Cais do Sodré. E do que os Olivais, já agora. Não divago, apenas enquadro, pois após uns anos coxos, a patinar, decidi atinar, fiz-me ao famigerado "mini-concurso" para ser setôr durante o dia e estudante à noite, a ver se assim me fazia doutor... Vim a conseguir.
 
Fui colocado mais próximo de casa do que era a rua da Atalaia. Mas num mundo muito diferente - e eu ia dos Olivais, não de um qualquer ninho de betos e queques...! Couberam-me 300 miúdos, filhos do operariado e do lumpen sitos para além do Trancão. Acolheram-me bem. A isso terão ajudado aqueles meus 22 anos. E também aquilo de no primeiro dia ter chegado de descapotável, emprestado, que fez furor na escola e logo me celebrizou. E de depois aportar no meu Fiat 600 voador, sempre sob pujante condução. E, talvez ainda mais, o de me fazer passear pela escola acompanhando uma beldade ali docente (Madrinha Mafalda, estás ainda mais bonita agora do que então), coisa que fazia brotar os romantismos até dos mais energúmenos dos alunos subindo assim a minha cotação... Apesar disso, no final do ano lectivo não só constatava que era impossível ensinar algo àquela mole desavinda como tinha frémitos de me voluntariar para os "Rangers" de Lamego, único estágio que considerava adequado para voltar a enfrentar universos daquela monta. "Nunca mais", clamei para mim, e segui no meu ror de trambolhões, fugindo da escola secundária como o demo da cruz. Mas sempre solidário com os (ex-)"camaradas" docentes (eles entrechamam-se "colegas", palavra horrorosa, como é bem sabido...), embrenhados em tão difíceis funções e vivências.
 
35 anos passaram, e cri que muito teria melhorado a escola neste país europeu, seu ambiente e nisso as condições laborais. Há alguns meses desesperei de ser convidado para secretário de Estado ou, vá lá, administrador não-executivo. Tendo sido basto publicitado um enorme défice de professores decidi concorrer. A duas íntimas, professoras apaixonadas pela sua profissão (e agora grevistas, já agora), anunciei os meus intentos e pedi conselhos: "estás louco?", "tu não aguentas!", "isto é terrível!!", "é muito duro!". Defendi-me, entre o "rancho", a "renda" e os "restos" que me cabem e tenho de pagar, e o "caramba, já fiz algumas coisas na vida..., tenho muitos kms atrás de mim". Ambas, à sua vez, coincidiram num "ok, se precisas, mas prepara-te, é mesmo muito duro". E lá me conduziram nos procedimentos, gentis, solidárias. E, presumo, pesarosas...
 
Ficou uma longa memória. Apenas para dizer isto: quando aquelas que seguem tão apaixonadas pela sua profissão tanto desaconselham um seu querido a ombreá-las isso tem de significar algo sobre as condições de exercício laboral
 
(The Waterboys - This is the sea)
 
Mas é claro que é mais fácil dizê-las joguetes do fascismo, e até deste agentes. O difícil mesmo é perceber que estamos no mar, que "isto é o mar". Cantar a já velha canção amarga. E navegar...

marcelolula.jpg

Desde que o PT chegou à presidência do Brasil aquele país alargou-se por África e outro mundo afora, era a época dos militantes da virtude no reforço do "Sul-Sul", dos crentes do culto aos BRICS - a China sempre nos modos deste Xi, a Rússia já de Putin, a África do Sul no rumo de Zuma, Ramaphosa e quejandos, a Índia do afinal Modi e o nosso cálido "país irmão"... Olho para 20 anos atrás, recordo o meu cenho franzido diante daquilo, e interrogo-me se sou serei eu o deficiente, pois "portador de cepticismo", ou, se pelo contrário, serão apenas parvos os que então (e hoje) tanto se entusiasmavam com aquela "alternativa" dita desenvolvimentista...
 
Mas não vi qualquer defeito naquilo da economia brasileira se extroverter para África. É certo que dos grandes investimentos em Moçambique bem ouvia - e muitos anos antes de qualquer um de nós saber da existência do juiz Moro - histórias das articulações dos macrogrupos económicos com a elite PT e a família elementar do presidente obreirista... Mas isso eram (e são) os problemas daquele país, onde a corrupção do sistema político é endémica e não típica de uma qualquer linha ideológico/partidária. De facto, o que me mais me irritava era o folclore "afro" da abordagem brasileira - entenda-se bem, em África os portugueses armam-se das lérias da comunhão "lusófona" e os brasileiros entoam a sua cançoneta da irmandade feita da sua "africanidade". Todos desafinam...
 
Enfim, quase nada sei do país e nunca cuidei de me aprofundar nisso. Li poucos escritores (Machado de Assis, Nassar e mais alguns), ouço um punhado de cantores (facilitados pelo imediatismo da apreensão que a língua comum dá). E noto que apenas um pensador me marcou - José Guilherme Merquior, um intelectual monumental que tão infelizmente morreu com apenas 50 anos, tanto deixando por iluminar. E, já nesta idade, tenho uma muito querida amiga, dois grandes amigos e conheço ainda, com simpatia algo vaga, não mais de meia dúzia de brasileiros. Ou seja, ao longo da vida o país foi-me indiferente - à excepção da floresta - e assim continua...
 
Ontem Lula da Silva regressou ao poder. É verdade que durante as suas presidências houve um enorme retrocesso da pobreza, efectuou-se uma urgente redistribuição de recursos numa sociedade imensamente desigual. E - o que é o verdadeiramente fundamental - muito se reduziu o criminoso abate amazónico. Sucede a um boçal afascistizado, um troglodita político - o qual, muito mais grave do que tudo o que a gritaria das "identidades" apregoou, e assim até escondeu, foi um gravíssimo epifenómeno da indústria assente na desflorestação.
 
Por isso tudo é bom que Lula da Silva tenha ganho. Foi eleito resvés, dada a preferência que obteve no eleitorado do "interior" (nordestino), pobre, inculto, desapossado pela desigual redistribuição social e geográfica dos recursos, ostracizado até. Só não querendo ver é que não se nota a similitude, em abstracto, com a recente eleição de Trump..., o que deixa ver como as "análises" são acima de tudo ladainhas advindas das simpatias dos locutores, nuns casos louvando as "massas", noutros casos invectivando a plebe, crente.
 
Por cá muitos desgostam de Lula da Silva, lamentam a sua ressurreição. Muito disso advém da associação do brasileiro com o nosso Sócrates - bem patenteada durante anos, em visitas oficiais e privadas, em apoios, em amizades proclamadas. E só não viu quem era Sócrates quem não quis ver, só não percebeu o tom que ele deu ao regime quem não quis. Clientelismo, nepotismo, corrupção, ataque à separação de poderes, esbanjo de recursos públicos, ataque à liberdade de imprensa, tudo isso foi Sócrates - e com a cumplicidade de alguns e a conivência de imensos. O PS tudo fez para fazer esquecer isso - o que lhe permitiu nomear um Presidente da Assembleia da República que goza connosco a propósito de Sócrates, encher o Parlamento Europeu com gente próxima de Sócrates, encher o governo de ex-governantes de Sócrates (e quando um é apanhado a esconder alguma corrupção as pessoas ainda se surpreendem...). Pois o histriónico Sócrates pode ter caído mas o regime não mudou, é preciso ser "parolo" (para citar o inaceitável Santos Silva) para não o perceber.
 
Por isso tudo, este convite para o empossamento que Lula enviou a Sócrates - em nome de uma qualquer "amizade pessoal" - é uma agressão, vil, a Portugal. E uma proclamação de que afinal não somos um "país irmão" mas sim, quanto muito, um "país sócio" para quaisquer trapaças que pareçam lucrativas. E o nosso esvoaçante Presidente deveria ter sinalizado isso. Apresentar-se, algo obrigatório como chefe de Estado, e com gravitas, nisso enfatizando a percepção da ofensa havida. Mas, claro, apaixonado por si mesmo foi-se a banhos...
 
Quanto ao Brasil? Atrevo-me a um conselho, de facto dado aos meus três queridos brasileiros: que se ouça esta "Sozinho" de Peninha cantada por Caetano Veloso e o seu interlúdio falado. E perceba-se que é falso que original e versões primevas sejam as melhores. A canção pode ser muito melhorada, tornada outra mesmo. Façam-no agora. E nisso controlem estes desafinados.
 

alcool.png

Aconteceu-me que em pleno dia de Natal, indo a caminho da casa da minha irmã para as tradicionais celebrações, estreei-me em acidentes rodoviários após 39 anos de condução. Estraguei o meu dia, incomodei a minha filha, que lá me esperava, a qual padece deste pai. E sofri uma fractura exposta no osso orgulho. Para além um derrame na conta bancária, que seria letal não fora o caso desta estar já ligada à máquina, em condição dita irreversível.

Atendendo à data festiva, e concomitantes folgas, tive de esperar umas horas pelo reboque. Era já início de noite quando chegou, levando-me da via rápida verdadeiramente fronteira ao Trancão até à planície nas cercanias do Sado. Simpaticíssimo o motorista, e basto falador - tentando (e conseguindo, justiça lhe seja feita) animar-me, macambúzio que me encontrou, culminando ambos (e logo na Vasco da Gama) num quase nada estóico "foi só (pouca) chapa e plástico" "que se lixe!", isto que sobre angústias monetárias não me deixei espraiar...

E nisso o homem foi-se alongando, confirmando-me que são estes dias, os das Festas, de muita azáfama. Pois poucos colegas de serviço e muita gente a ter problemas, "no Natal saem da casa das famílias com um copito a mais...", no "Ano Novo vêm das festas...". Às vezes cenas dramáticas - e algumas contou mas tenho pejo de as convocar - mas a maioria das vezes pequenas coisas, toques, choquezitos, a perturbarem ou mesmo a magoarem mesmo que felizmente não irremediáveis. Aquele copito de vinho a mais no Natal, só mais, só mais um brinde de Ano Novo - "Feliz" terá ele de ser -, até com o raisparta do espumante, ou mesmo a saideira seguida da abaladiça, e nisso já se está num registo mais desengonçável...

Enfim, lá me largou ele diante da oficina onde parqueei o carro (emprestado, ainda por cima). E agora, antes do reveillon de tantos, ou da "passagem" de outros, nem sequer tenho de me lembrar daqueles inícios dos 80s, antes da instauração do "balão" e das campanhas - nem o cinto de segurança era prescritivo -, das loucuras acontecidas, dos amigos perdidos... Lembro-me só da conversa desta semana com o loquaz motorista de reboque, a desmontar-me a ideia de que após tantas décadas passadas, tantas campanhas feitas, as coisas ao volante tinham mesmo mudado.

Eu sei que a esta canção é foleira, e o vídeo também. Mas muito mais foleiro é guiar acima dos limites da segurança. Portanto, hoje em especial, "não guies com os copos". Mesmo que seja só aquele "bocadinho" de nada... Esse que se calhar até é o pior, dá aquela sensação de "falsa segurança" que a dra. Graça Freitas e a ministra Temido tanto combatiam - quando nos queriam convencer a não usar máscaras e a não nos testarmos.

clint1.jpg

Toby Keith - Don't Let the Old Man In
 
Esta canção é do músico country Toby Keith, que a compôs após uma conversa com Clint Eastwood - tendo-lhe perguntado a razão da sua energia e constante azáfama cinematográfica, ele, então com 88 anos, respondeu-lhe que todos os dias o velhote lhe batia à porta. E que ele não o deixava entrar.
 
Foi uma amiga, também colega e companheira de andanças em Moçambique, que me deu a conhecer - a canção e o episódio que a originou. Isto porque eu lhe confidenciara que o tal velhote não me larga a porta, decerto porque aqui há atrasado dele me condoí, em dia agreste acolhi-o junto à salamandra, ofereci-lhe um Queen Margot (o gajo é da pinga, bebeu-me quase a garrafa toda), e agora anda sempre a rondar-me. Vagabundo que é - sem-abrigo, deve-se agora dizer destes sem-poiso - apercebeu-se assim das brechas na minha blindagem, e logo se deixou acampar com os seus pertences aqui nas cercanias, vai acenando e até saudando num "ó vizinho!", na expectativa de alguma cálida sobra ou mesmo, temo-o, refúgio constante. Tanto que já me esgueiro, lesto, à entrada de casa, feito de ouvidos moucos, atrapalhado angustiado.
 
Por isso aqui deixo o meu alerta, para este 23 que daqui a bocado começa, urge seguir o conselho do Clint. Tomai pois atenção, dizei-lhe, ao sacana do velhote, "Arrede-se, Senhor" ou "Vai-te f..., velho do c...!". Consoante a vossa disposição, retórica, auto-imagem, seja lá o que for.

Gerente

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador

Em destaque no SAPO Blogs
pub