Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Nenhures

Nenhures

10
Out20

Prémio Nobel

jpt

nobel 2020.jpg

Alguns amigos muito queridos dizem-me que tenho (que tenho, não que estou com ...) mau feitio. Por exemplo, porque não gosto de tascas excessivamente ordinárias. Ou porque reajo a "bocas" excessivamente imbecis. Eles concordam com estas avaliações, mas consideram que devemos ir calmos, conviver com isso. Enfim,

esta é a semana dos prémios Nobel. Todos os anos esta é a semana dos grunhos, letrados e iletrados, opinarem. Como se o Nobel fosse o verdadeiro Campeonato do Mundo (e assim todos devessemos votar, como nas eleições americanas ...), e tudo começa logo por essa patetice.
 
Sempre que chegada esta época nobelística imensos vêm (mal) opinar nas redes sociais sobre os premiados na Literatura e na Paz. Este ano é vê-los, até amigos, mandar "bocas" aos que dizem conhecer a premiada - não li ninguém a fazê-lo, poetisa não traduzida e nem mesmo os amigos/conhecidos escritores/jornalistas aparentam conhecê-la. Mesmo assim? Tem que haver gente a protestar com os inexistentes que dizem conhecê-la. O que está no fundo desta constante atitude? A raiva morcã contra os comuns que vão lendo algo, e que vão conhecendo, melhor ou pior, alguns escritores. E que disso falam. Há poses literatas? Há, claro. Não é tudo isto uma pose? Mas se um tipo fala de leituras que teve ou tem logo vêm os patetas gritar "falso" ...
 
Dias depois saiu o prémio da Paz. Neste ano logo surgiram dois tipos de morcões: o prémio foi para o Programa Alimentar Mundial? Devia era acabar-se com a fome, gritam alguns estupores. E, em particular aqui em Portugal, saem os morcões a gozarem com "a Greta" porque não foi premiada, uma javardeira imunda - ilustres professores universitários, comentadores "anunciados na tv", quadros da função pública, tardo-cinquentenários e sexagenários, a fazerem trocadilhos com "greta"? - malditas disfunções fálicas ... Que não haja qualquer dúvida, os imbecis encartados ao centro e à direita pululam, em frenesim, tanto como lá nos identitaristas "gauchistes".
 
Mas sobre os outros prémios Nobel nada se fala, que ninguém percebe nem quer parecer que percebe. E esses prémos não lhes servem, aos deste comboio descendente, para "rirem à gargalhada" dos dislates que trocam. Convictos que pensam política ...
 
O prémio de Medicina 2020 foi para este trio de investigadores, Harvey J. Alter, Michael Houghton e Charles M. Rice. Por um trabalho fundamental relativo à Hepatite C. Muito o saúdo, mesmo que totalmente ignorante nesta matéria. Também porque essa é doença que a minha geração conhece, e muito pela sua proclamada associação a algumas opções existenciais. Fez-me perder alguns belíssimos amigos. E vários conhecidos. Que me fazem falta.
 
Então é noite de sexta-feira. Bebo um copo de tinto (de Lisboa, decente, baratíssima promoção do Pingo Doce) à saúde destes premiados. Agradecido. E outro à memória dos meus amigos.
 
E isto também porque eu, de facto, tenho um bom feitio. Amigo dos meus amigos (e deles tão saudoso), sem paciência para os imbecis. Há melhor?

Quem somos

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub